Valdir Antunes de Oliveira, de 41 anos, estava há dez anos no quadro da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul). O soldado se preparava para o curso de cabo. Estas e outras lembranças marcaram o velório do servidor público na manhã desta quinta-feira (24). A cerimônia ocorre na Pax Real do Brasil, que é localizada na Avenida Bandeirantes, 795.

Familiares e amigos se mantiveram em vigília para se despedirem do militar desde a noite de quarta-feira (23). O policial deixou três filhos, sendo uma garota de 16 anos e um garoto de 14, do primeiro casamento, e um menino de 1 ano do segundo relacionamento amoroso. Além dos pais do militar de 77 e 67 anos e quatro irmãos, sendo três homens e uma mulher.

Sobre a carreira militar, Valdir tinha o exemplo dentro de casa. Um dos irmãos, que tem 47 anos, é policial reformado. Ele contou à equipe do Midiamax que a vítima era dedicada à profissão.

“Nestes dez anos de trabalho dedicado à polícia, meu irmão fez muito. Ele amava o que fazia, assim como eu”, afirmou o irmão da vítima, que preferiu não ter o nome divulgado.

Valdir trabalhava na ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande) e após se dedicar ao concurso público, aos 30 anos em 2003, ele conseguiu conquistar o cargo de soldado na corporação militar. O policial trabalhou em Aquidauana, fez parte do pelotão de motos de Campo Grande e há três anos estava lotado em Jaraguari.

Perdão

Apesar da dor da perda, o sentimento da família é de perdão aos criminosos e de “justiça” sobre o caso. “Acreditamos em Deus e na justiça divina. Eles vão pagar pelo que fizeram, mas vamos deixar isso nas mãos do criador”, disse o irmão, informando que a família é evangélica, da Batista e Assembleia de Deus.

“Estamos sofrendo, ninguém espera perder alguém, muito menos desta maneira, mas o ódio com certeza não faz parte dos nossos corações”, finaliza.

Já o sepultamento será às 14 horas de hoje no Cemitério Memorial Park, que fica na Avenida Senador Filinto Müller, sem número, em Campo Grande.