#CGR115: Para quem quer comprar barato, Júlio de Castilho concentra nicho de ‘movelheiros’

Ao falar sobre lojas de móveis usados em Campo Grande, a região mais conhecida é a da Rua Marechal Rondon, contudo, nos últimos 10 anos, muitos “movelheiros” se instalaram na Avenida Júlio de Castilho. Os motivos da formação dessa segunda vertente de móveis usados são os mais variados. Atualmente, há cerca de 15 lojas dessa […]
| 15/08/2014
- 16:25
#CGR115: Para quem quer comprar barato, Júlio de Castilho concentra nicho de ‘movelheiros’

Ao falar sobre lojas de móveis usados em Campo Grande, a região mais conhecida é a da Rua Marechal Rondon, contudo, nos últimos 10 anos, muitos “movelheiros” se instalaram na Avenida Júlio de Castilho. Os motivos da formação dessa segunda vertente de móveis usados são os mais variados. Atualmente, há cerca de 15 lojas dessa especialidade ao longo da avenida.

Uns acham que essa concentração é consequência dos altos preços dos salões comerciais do Centro da Capital, já outros falam que a maioria dos comerciantes da região são também moradores dos bairros pelos quais a Júlio de Castilho passa.

Assim, a comerciante Zilda de Anísio, que possui loja há 10 anos nesta avenida, afirma que nem se interessou em procurar um salão comercial no Centro da Cidade porque mora no Jardim Aeroporto. “Trabalhar perto de casa é pura qualidade de vida. Por isso escolhi ficar aqui”, acentua ela.

Zilda destaca que seu diferencial é ser boa vendedora, mesmo com concorrência vinda de todos os lados. “Dificilmente eu perco um cliente. Se alguém vem aqui pesquisar eu já seguro ele cobrindo a concorrência, dou um desconto de até 20%”. A comerciante conclui relacionando os produtos mais difíceis de vender: impressoras e berços.

Por outro lado, o lojista Osmar Ribeiro dos Santos, que chegou à Avenida Júlio de Castilho há oito anos, afirma que, no passado, procurou um salão na Rua Marechal Rondon, porém, não encontrou nenhum mais em conta. “Até hoje eu penso em me mudar pra lá. Enquanto isso ficou por aqui mesmo”. Segundo ele, os novos empreendedores deste ramo acabam abrindo seu comércio pela vizinhança, porque no Centro não se encontra imóveis.

Custo-benefício para o consumidor

Os consumidores que frequentam a Júlio de Castilho são unânimes quando indagados sobre os benefícios. De acordo com a diarista Elaine de Jesus, é possível encontrar preços inimagináveis. “Encontrei um pacote que inclui fogão, geladeira e botijão de gás por R$ 550,00. Vou procurar mais um pouco de devo retornar lá pra levar”, ressalta.

Já o aposentado Célio Delamerlindo conclui dizendo que mora há 7 anos na região e seus amigos, de outros bairros, sempre pedem a indicação das melhores lojas, bem como para os avisarem sobre algumas promoções. “Quando vejo um móvel com preço e qualidade boa, aviso meus amigos. Só eu já comprei várias vezes por aqui”.

#CGR115: Aniversário de Campo Grande

Em comemoração ao aniversário de 115 anos de Campo Grande, o jornal Midiamax realizou uma série de reportagens sobre as vias e regiões que concentram diferentes nichos de mercado existentes na Capital. Acompanhe no próximo sábado (15) a reportagem sobre as lojas de autopeças da Avenida Calógeras.

Últimas notícias