Geral

Após demissão, conselheiros estaduais de Saúde deverão votar nota de repúdio contra Dobashi

O Conselho Estadual de Saúde deverá votar nas próximas reuniões uma nota de repúdio contra a ex-secretária estadual de Saúde Beatriz Dobashi, que pediu demissão ontem (1) após divulgação na imprensa de escutas telefônicas que comprovavam envolvimento em esquema de desvio de recursos públicos. Segundo o presidente do Conselho, Ricardo Corrêa Bueno, a partir da […]

Arquivo Publicado em 02/07/2013, às 14h22

None
1875753449.jpg

O Conselho Estadual de Saúde deverá votar nas próximas reuniões uma nota de repúdio contra a ex-secretária estadual de Saúde Beatriz Dobashi, que pediu demissão ontem (1) após divulgação na imprensa de escutas telefônicas que comprovavam envolvimento em esquema de desvio de recursos públicos.

Segundo o presidente do Conselho, Ricardo Corrêa Bueno, a partir da demissão, Dobashi deixa de ser conselheira na entidade a qual está há sete anos, desde que assumiu a pasta estadual. “Ficamos surpresos com a saída dela, porque ela sempre negou todas as denúncias, tanto para a mídia quanto dentro do Conselho, o qual sempre acredita na boa fé do conselheiro”, afirmou.

O Conselho não tem caráter punitivo, apenas deliberativo. Ricardo ainda relembra que em dezembro do ano passado os conselheiros debateram sem a presença de Dobashi sobre a oncologia no Estado, setor chave das denúncias da Operação Sangue Frio da Polícia Federal e Controladoria Geral da União que derrubou esquema de desvio de recursos do Sistema Único de Saúde nos hospitais do Câncer e Universitário, em Campo Grande.

“Ela estava na sala ao lado onde estava sendo debatido e mandou uma suplente. Entendemos que não dava para continuar sem ela, que esteve presente apenas em uma segunda reunião. Já tivemos avaliando diversas denúncias e ela sempre negando envolvimento, apesar das inúmeras suspeitas, então talvez seja votada uma nota de repúdio”, concluiu.

Após o escândalo foram criadas duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) na Câmara de Campo Grande e na Assembleia Legislativa. Dobashi depôs nesta última e deverá ser reconvocada também pelo fato de ter negado o envolvimento, comprovado semanas depois pela divulgação das gravações. (Matéria alterada às 16h28 para correção de informações)

Jornal Midiamax