O sul-mato-grossense Fernando Rufino fechou sua participação no Mundial de Paracanoagem com grande saldo: ouro na categoria KL1M 200m e bronze na KL3M 200m, sendo que este último resultado garantiu classificação do atleta para mais uma prova nos Jogos Paralímpicos de Paris 2024.

Ao todo, a Seleção Brasileira de canoagem paralímpica terminou o Mundial da modalidade, em Szged, na Hungria, com seis medalhas – dois ouros, duas pratas e dois bronzes.

“Gostaria de agradecer aos meus amigos e também aos meus patrocinadores. Foi uma prova [VL2M 200M] bem difícil, mas deu tudo certo”, disse Fernando Rufino ao CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro)

Todas as vagas pertencem ao Brasil e não aos atletas. A definição da equipe nacional que irá para Paris 2024 sairá após a avaliação do Comitê de canoagem paralímpica da CBCa (Confederação Brasileira da modalidade). O Brasil já havia assegurado quatro vagas, que foram conquistadas no Mundial em 2023 (KL1M, VL2W, VL2M e VL3W).

O CPB tem a expectativa de convocar cerca de 250 atletas para os Jogos de Paris. Na última edição, em Tóquio, foram 235 esportistas com deficiência. O recorde de participantes brasileiros foi nos Jogos do Rio 2016, ocasião em que o Brasil sediou o megaevento e contou com 278 atletas em todas as 22 modalidades.

Na história dos Jogos Paralímpicos, o Brasil já conquistou 373 medalhas (109 de ouro, 132 de prata e 132 de bronze), ou seja, está a 27 do seu 400º pódio no evento.

Na última edição, Tóquio 2020, o país fez a sua melhor campanha com 72 medalhas no total, a mesma quantidade obtida nos Jogos do Rio 2016. Destas, 22 foram de ouro, superando as 21 de Londres 2012. Ainda foram mais 20 pratas e 30 bronzes no Japão.