Geral

Farc e governo colombiano devem iniciar diálogo de paz sem cessar-fogo

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) vão comparecer à mesa de negociações com o governo colombiano sem conseguir uma interrupção nas operações das forças de segurança, que só serão suspensas assim que as partes chegarem a um acordo final de paz. “Aqui não muda nada, porque dissemos a esses senhores (os rebeldes) que só […]

Arquivo Publicado em 15/09/2012, às 00h44

None

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) vão comparecer à mesa de negociações com o governo colombiano sem conseguir uma interrupção nas operações das forças de segurança, que só serão suspensas assim que as partes chegarem a um acordo final de paz.

“Aqui não muda nada, porque dissemos a esses senhores (os rebeldes) que só haverá uma suspensão das operações uma vez que cheguemos a um acordo final”, afirmou nesta sexta-feira o presidente Juan Manuel Santos na cidade de Popayán, capital do departamento de Cauca.

O governante manteve a sua postura contrária à exigência das Farc de se chegar ao processo de paz com uma declaração de cessar-fogo bilateral.

Os guerrilheiros, que no passado não aceitaram suspender as hostilidades em outras tentativas de acordos de paz, consideraram conveniente que desta vez se chegue à mesa de negociações com uma suspensão prévia do conflito.

Algo que não é compartilhado por Santos, apesar dos clamores por um cessar-fogo, sobretudo nas regiões mais afetadas pelo confronto.

“Convém a todos nós (…) chegar a esse acordo final”, reconheceu Santos, que, anteriormente, tinha descartado uma representação regional no diálogo incipiente, como tinha feito antes com a participação de setores como o das vítimas.

Cada vez mais otimista sobre a possibilidade da paz, Santos esclareceu que “não se trata de adiar o processo da busca pelo fim do conflito”, mas de tentar finalizá-lo “de uma vez por todas”.

Foi uma mensagem clara à equipe governamental que participará da negociação, pois, de acordo com a vontade do presidente, o acordo de paz com as Farc deverá estar pronto em meses, não em anos.

Santos os advertiu desde o início de setembro, quando revelou que o Executivo tinha chegado a um consenso com os rebeldes em Havana para pôr fim ao conflito interno.

As partes assinaram o acordo no último dia 26 de agosto após “conversas exploratórias” de seis meses, sempre na capital cubana, que será a sede permanente da mesa de negociações.

Para o governo, a missão ficou nas mãos de uma equipe liderada pelo ex-vice-presidente Humberto de la Calle (1994-1996).

De la Calle terá a companhia dos generais reformados Jorge Enrique Mora, do exército, e Óscar Naranjo, da polícia, assim como o presidente da Associação Nacional dos Empresários (Andi), Luis Carlos Villegas; o assessor para a segurança nacional Sergio Jaramillo, e o ex-ministro e ex-comissário de paz Frank Pearl.

As Farc decidiram o grupo que vai representar a organização nas negociações ontem em Cuba, país que vai mediar às negociações juntamente com a Noruega, tendo Venezuela e Chile como observadores.

O segundo no comando das Farc, “Ivan Márquez”, lidera a equipe, juntamente com “Rodrigo Granda”, “Marco León Calarcá”, “Andrés Paris” e “Simón Trinidad”, que cumpre pena de 60 anos de prisão por sequestro nos Estados Unidos.

O ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010) – antigo correligionário de Santos – não concorda que seu sucessor tenha assumido o processo de paz e fez hoje novas críticas às negociações entre as Farc e o governo colombiano.

Uribe rejeitou a presença de oficiais reformados entre os negociadores do Executivo, assim como o início do diálogo sem a “suspensão prévia das atividades criminosas” por parte dos insurgentes, em uma entrevista para a emissora Blu Radio.

O ex-mandatário também não aceita que os delegados rebeldes sejam pessoas com pendências judiciais, inclusive, pedidos de extradição por tráfico de drogas e sequestro nos Estados Unidos e no Paraguai.

É “gravíssimo”, apontou o ex-presidente colombiano, que mencionou o caso de “Granda”, o “Chanceler” das Farc, capturado em Caracas por ordem sua em dezembro de 2004, quando o mesmo participava de um ato político que, segundo ele, contava com a “permissividade” e o “patrocínio” do presidente venezuelano, Hugo Chávez.

O guerrilheiro foi libertado em meados de 2007, por ordem de Uribe, depois de uma solicitação do então governante francês, Nicolas Sarkozy, para facilitar a libertação da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, que também tem nacionalidade francesa e que na época era refém das Farc.

Ingrid estava em um grupo de políticos e agentes de segurança pública que foram sequestrados com a finalidade de serem trocados por rebeldes presos, e foi resgatada em meados de 2008 junto com três americanos e 11 militares e policiais colombianos.

Jornal Midiamax