Gradativamente os ônibus deixarão de receber o pagamento da tarifa em dinheiro. A ideia é diminuir a incidência de assaltos aos coletivos da Capital.

A partir do dia 26 de agosto, os ônibus do transporte coletivo de Campo Grande, gradativamente, deixarão de aceitar o pagamento feito com dinheiro pelos passageiros. A tarifa será cobrada apenas com o cartão eletrônico.

A iniciativa de tirar de circulação o dinheiro nos ônibus partiu dos motoristas, que alegaram estar sobrecarregados com a falta do cobrador e preocupados com a alta incidência de assaltos aos coletivos da Capital.

A partir desta reclamação, o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande fez a proposta ao prefeito, Nelson Trad Filho.

Segundo o presidente do Sindicato, Demétrio Ferreira de Freitas, após a decisão da Câmara dos Vereadores de remanejar os cobradores, a solução encontrada foi tirar de circulação o dinheiro, para proteger tanto a vida dos motoristas, quanto aos usuários do transporte coletivo.

Então no dia 21 de julho, em reunião na prefeitura de Campo Grande, os representantes da Assetur (Associação das Empresas do Transporte Coletivo Urbano), da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), da Polícia Militar e do Sindicato acordaram que, a partir de 26 de agosto de 2011, os ônibus de só aceitarão o cartão eletrônico, como pagamento da passagem.

Para a usuária dos coletivos da Capital, Irene Xavier, que já usava o cartão, é boa a iniciativa, já que dificulta a ação dos assaltantes. “Com o cartão, a gente não precisa ficar abrindo a bolsa procurando o dinheiro. Se tem algum mal intencionado, já fica olhando o que você tem na bolsa”, afirma ela.

O Coronel da PM (Polícia Militar), Carlos Alberto Davi dos Santos, diz que fato de não ter dinheiro circulando nos ônibus não fará com que diminua a fiscalização por parte da Polícia. Porém, a PM acredita que os assaltos a ônibus diminuam consideravelmente, como em outras capitais onde já foi banido o dinheiro.

“Com essa não circularização de dinheiro, acreditamos que vá diminuir a criminalidade, já que não trabalhamos com a hipótese de que os bandidos passarão a catraca para assaltar os passageiros. Mas a PM não deixará de fazer o trabalho de prevenção”, afirma o coronel.

A assessoria de comunicação da Assetur (Associação das Empresas do Transporte Coletivo Urbano) comunicou que a conscientização da população, com cartazes, panfletos e banners, começa na segunda semana de agosto.

Inserção gradativa do cartão

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano da Capital, a partir do dia 26 agosto, os 45 ônibus articulados e as linhas 302 (Caiobá) e 319 (Dom Antônio Barbosa) não aceitarão dinheiro como forma de pagamento da passagem.

A partir do mês de setembro, as linhas “alimentadoras”, ou linhas azuis, com maiores índices de assalto entrarão na lista, como as linhas 411 (Santa Mônica) e 108 (Los Angeles). E a partir de janeiro de 2012, todos os ônibus do transporte coletivo de Campo Grande só aceitarão o passe eletrônico.

Em Campo Grande, cerca de 230 mil pessoas usam o transporte coletivo por dia. O preço da passagem, a R$ 2,70, é um dos mais caros do Brasil, perdendo apenas para São Paulo (R$ 3) e Florianópolis (R$2,95).