Prestes a concluir o processo formal de criação do partido, os presidentes estaduais do PSD irão se reunir na próxima quarta-feira (17) à noite, em Brasília, para iniciar a definição da estratégia da legenda nas eleições municipais de 2012.

Eleito neste sábado (13) presidente da legenda que criou, o prefeito Gilberto Kassab, resumiu o próximo passo após a formalização, que deve iniciar sua tramitação na próxima senana na capital federal.

– O encontro é para definir a posição do partido nas eleições municipais e as alianças.

Segundo Kassab, a estratégia inicial do PSD é lançar candidatos em municípios em que isso for possível. É a intenção, por exemplo, para São Paulo. Na capital paulista, Kassab pretende emplacar o vice-governador do Estado, Guilherme Afif, como o candidato da legenda.

Kassab ressaltou que a política de alianças é fundamental em um país como o Brasil, marcado por uma forte diversidade regional. Destacou que o PSB, comandado pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, será o “principal parceiro”.

No Rio de Janeiro, o PSD vai apoiar a reeleição do prefeito Eduardo Paes (PMDB).

Dilma

Em Brasília, os presidentes estaduais do PSD deverão ainda se reunir com a presidente Dilma Rousseff (PT), na próxima quinta-feira (18), às 8 horas.

– É uma visita de cortesia, para que possamos nos apresentar.

O encontro foi acertada ontem, em Brasília, durante a reunião entre Kassab e Dilma para discutir, entre outros pontos, a possibilidade de a União reduzir de 9% para 6% a taxa de juros cobrada da dívida com a prefeitura de São Paulo, que hoje soma, aproximadamente, R$ 46 bilhões.

Kassab ponderou que a aproximação entre o PT e o PSD em nível federal não significa que a aliança pode ser estendida para as eleições municipais de São Paulo.

– O PSD nasce como um partido independente.

Disse, porém, que o partido apoiará o governo Dilma nos momentos em que as ações adotadas forem compatíveis os princípios e diretrizes do PSD.

Registro

Em paralelo, o PSD segue o processo de criação da legenda junto à Justiça Eleitoral. De acordo com Kassab, a expectativa é de que, até a próxima sexta-feira (19), a área jurídica do partido apresente toda a documentação necessária para o registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

– Na próxima semana, vamos apresentar a ata da eleição do diretório nacional, as 500 mil assinaturas e as atas das convenções estaduais para o TSE. Essa parte já está resolvida. Agora, é com os advogados.

Na avaliação de Kassab, a criação do PSD será alvo de contestação dos outros partidos até o último momento, a exemplo do que ocorreu nas últimas semanas com as representações do DEM e do PTB, arquivadas pelo TSE.

– Eles vão tentar, porque, no fundo, o que eles querem fazer é terrorismo midiático. A mídia inocente tem dificuldade em consultar advogados para entender que é tudo balela o que eles estão falando.

Hoje, o PSD realizou a sua convenção nacional para a escolha da direção executiva nacional, evento realizado na sede estadual do partido em São Paulo, no edifício Joelma, no centro de São Paulo. O evento formalizou o nome de Kassab, candidato único, como o presidente da legenda.

Os vice-presidentes eleitos foram a senadora Katia Abreu, o governador de Santa Catarina, Raymundo Colombo, e o ex-ministro da Previdência Social Roberto Brant. O escolhido para o cargo de secretário-geral foi Saulo Queiroz. Além disso, o PSD também criou uma comissão para definir o seu programa, que será liderada por Afif.