Moradores do bairro Monte Castelo reclamam da falta de
pontos de ônibus cobertos em dias de chuva e calor intenso, por causa da demora
dos ônibus no local.

A dona de restaurante Eliza Alice Ortiz trabalha na antiga
rodoviária e reclama que todo dia tem que esperar quase uma hora pelo ônibus,
no ponto descoberto.

“Se chove tem que esperar no descoberto, se está calor o Sol
incomoda também, é difícil. Só passa por aqui o Otávio Pécora e o Monte
Castelo. No fim de semana, é só o Pécora e de hora em hora”, diz.

O pedreiro Josué Alves trabalha e mora no bairro, mas sempre
que precisa se deslocar para o centro usa o ponto para esperar pelo ônibus. “Aqui
a situação é precária, os pontos ficam também muito longe uns dos outros”,
reclama.

Mil pontos de ônibus

A Prefeitura Municipal de Campo Grande solicitou mil pontos
de ônibus no dia 26 de janeiro deste ano, com recursos do projeto Pró
Transporte, do Ministério das Cidades.  

A licitação está na fase final de análise, com dinheiro a
ser liberado pela Caixa Econômica Federal, segundo a assessoria.

Na época, o diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal
de Transporte e Trânsito) declarou que seriam instalados 400 pontos de ônibus
cobertos e com assentos na Capital e mais 600 pontos comuns, somando mil pontos
aos 3,2 mil já existentes na cidade.