O presidente da Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), Francisco Maia, disse que ficou de plantão na sexta-feira (5) o dia inteiro na sede da instituição esperando os supostos credores para poder quitar as dividas que a instituição foi acusada de ter. “Fiquei aqui na Acrissul o dia inteiro e não teve nenhum credor aqui cobrar dividas”, explica.

Maia disputa à reeleição e quem disse que a entidade estaria endividada foi seu adversário, José Lemos Monteiro, o Zeito. A eleição acontece na segunda-feira. 

Maia argumenta que essa atitude de ficar de plantão na instituição foi para mostrar que a Acrissul não deve nada a ninguém. “Nós não devemos nada. Fizemos assembléia de prestação de contas. Nós até temos dinheiro em caixa”, comenta.

O presidente da Associação explica que acha estranho esse processo eleitoral cheio de denúncias. “Há dois anos ninguém queria ser tesoureiro, presidente, ninguém queria assumir a direção da Acrissul. Nós ficamos dois anos na direção e agora todo mundo está brigando para pegar a presidência. Quando estava ruim ninguém queria. Agora que temos bons projetos e até dinheiro em caixa todos querem”, explica.

Maia desafia os supostos credores para irem cobrar as dividas da Acrissul e comenta que ficará de plantão com o cheque na mão para poder pagar essas dividas. “Estarei de plantão até o dia da eleição”, brinca Maia com relação aos supostos credores.

Ele lembra que a eleição para presidente da Associação não foi impugnada e acontecerá normalmente na segunda-feira (8) das 13 às 20 horas, no tatersal de elite 1 do Parque de Exposições, em Campo Grande.

A votação será feita por cédula e as quatro urnas requisitadas do Tribunal Regional Eleitoral já estão em poder da comissão eleitoral.

A princípio havia a possibilidade de uso de urnas eletrônicas, mas o TRE-MS solicitou que o pedido fosse feito com antecedência de 60 dias, o que não era possível já que o prazo para registro de chapas expirou-se no dia 25 de julho