MPF flagra milhares de medicamentos vencidos em Corumbá

Depois de receber uma denuncia, o MPF (Ministério Público Federal) em inspeção realizada em depósito da Secretaria Municipal de Saúde Pública de Corumbá encontrou milhares de medicamentos com o prazo de validade vencido. A princípio, o despejo teria consentimento da vigilância sanitária municipal, conforme informações dos próprios funcionários responsáveis pelo local. Segundo in...
| 06/03/2010
- 00:50
MPF flagra milhares de medicamentos vencidos em Corumbá

Depois de receber uma denuncia, o MPF (Ministério Público Federal) em inspeção realizada em depósito da Secretaria Municipal de Saúde Pública de Corumbá encontrou milhares de medicamentos com o prazo de validade vencido. A princípio, o despejo teria consentimento da vigilância sanitária municipal, conforme informações dos próprios funcionários responsáveis pelo local.

Segundo informações da assessoria do órgão, a Secretaria Municipal de Saúde teria descarregado camionetes de remédios vencidos no lixão da entrada do Assentamento Taquaral. Segundo a Polícia Federal, que verificou a informação, pessoas que trabalham no lixão confirmaram quatro despejos entre o início do ano e o período próximo ao carnaval.

No depósito da prefeitura, o MPF constatou “in loco” que o local aparentava estar abandonado. Diversas irregularidades foram encontradas, inclusive quanto à armazenagem dos produtos. Os materiais estavam estocados de forma desordenada, com muita sujeira e com várias embalagens rasgadas e/ou deterioradas. Medicamentos e insumos, como glicose e soro fisiológico, estavam armazenados sob elevada temperatura ambiente, acima de 40º C, contrariando a recomendação contida nas embalagens, que sugere a conservação entre 15 e 30º C.

No local ficou constatado também o desperdício de equipamentos e insumos. Fitas e tonner para impressora vencidos; medidores portáteis de glicose não-utilizados; uniformes, jalecos e materiais de limpeza armazenados de forma desordenada; enorme quantidade de máscaras para inalação que não se adaptam aos equipamentos de nebulização da rede municipal e até um aparelho de ar-condicionado de 60.000 BTUs (do tipo split), comprado há mais três anos, foram encontrados no local.

O Ministério Público Federal vai instaurar procedimento para a investigação dos fatos. Enquanto isso, o MPF recomendou ao Secretário Municipal de Ações Sociais a suspensão do descarte de medicamentos no lixão e um levantamento completo de todos os produtos vencidos e prestes a vencer dos depósitos/unidades de saúde do município.

Últimas notícias