Na semana em que o Santos foi rebaixado pela primeira vez, a tensão continua rondando as eleições presidenciais do clube. O pleito corria sem grandes transtornos até que membros da Torcida Jovem do Santos tentaram invadir o local de votação, no ginásio Athié Jorge Cury, na Vila Belmiro, neste sábado (9). Houve confusão e a Tropa de Choque da precisou intervir.

Os torcedores queriam chegar até o atual presidente, Andres Rueda, e o presidente do Conselho Deliberativo, Celso Jatene. Momentos antes da confusão estourar, Jatene tentou conversar com alguns membros da torcida. Entretanto, eles xingavam e ameaçavam o dirigente.

O grupo, então, foi retirado da área do ginásio em que estava. Era em torno de 13h15 (horário de Mato Grosso do Sul) quando torcedores organizados abriram à força um dos portões do ginásio. Pouco tempo depois, os torcedores retornaram, tentando abrir o portão e avançar.

Uma equipe de seguranças conteve o avanço de quem tentava invadir. A Tropa de Choque da PM retirou os torcedores do local e os conteve na área externa. A votação presencial chegou a ser interrompida, mas foi retomada.

Depois da confusão, a organização de entrada e saída dos sócios votantes mudou para que acontecesse pela mesma porta do ginásio. Quem estava no local de votação durante a confusão não conseguia sair. Foram cerca de 40 minutos até que o tumulto fosse contido dentro e fora do ginásio. Policiais civis ocupam o espaço em frente a entradas para evitar novas confusões.

Marcelo Teixeira, Ricardo Agostinho, Wladimir Mattos, Rodrigo Marino e Maurício Maruca disputam a preferência de quase 17 mil sócios santistas. O vencedor terá o desafio de comandar o Santos na Série B do pela primeira vez. Além disso, o clube terá apenas a disputa do Paulistão, já que ficou de fora da Copa do Brasil.

Atos violentos marcam rebaixamento da equipe santista

A Polícia Civil investiga um tumulto generalizado após a partida entre Santos e Fortaleza na noite de quarta-feira (6), que decretou o primeiro rebaixamento da história do time paulista. Depois da partida, o caos reinou nos arredores da Vila Belmiro, com parte da estrutura do estádio destruída, além de veículos queimados.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança de São Paulo), durante a ação, 11 policiais foram feridos e duas viaturas, danificadas. Seis e quatro automóveis foram incendiados pelos torcedores, que também avançaram contra os policiais, arremessando garrafas, pedras e fogos de artifício. Ninguém foi preso.

Com informações da Agência Estado

Saiba Mais