O Internacional venceu o River Plate duas vezes, nesta terça-feira, no Beira-Rio, em Porto Alegre, para alcançar as quartas de final da Libertadores. O time do técnico Eduardo Coudet venceu no tempo normal por 2 a 1 e marcou 9 a 8 nos pênaltis. No jogo de ida, na Argentina, havia perdido por 2 a 1

Nas quartas, o Inter vai enfrentar o Bolívar, que eliminou o Athletico-PR, em Curitiba, nos pênaltis, depois de ser derrotado nos 90 minutos por 2 a 0.

O River confirmou em campo o que anunciou o técnico Martín Demichelis, ao adotar uma postura ofensiva, não permitindo uma pressão inicial do Internacional.

Ao mesmo tempo que teve uma iniciativa no ataque, o River fez uma linha de cinco jogadores em sua defesa, dificultando a troca de passes do meio de campo do Inter.

O lado direito foi o mais acionado pelo Inter, com Bustos, Mauricio e Aránguiz. O problema é que a recomposição da equipe gaúcha em seu campo era lenta, sendo aproveitada pelo River, muito perigoso, principalmente com Solari.

Aos 30 minutos, em uma das poucas escapadas do ataque do Inter, Enner Valencia surgiu pela direita e bateu cruzado para boa defesa do goleiro Armani. Aos 32, o atacante equatoriano arriscou chute pela esquerda e errou por pouco.

A pressão do Inter continuou e, aos 35, Bustos foi derrubado Enzo Díaz dentro da área. Os jogadores do time colorado reclamaram bastante, mas o lance foi considerado normal pelo VAR

Aos 47, o River Plate quase abriu o placar com Beltrán, que desviou o cruzamento de Nacho. Rochet fez boa defesa. Ao final do primeiro tempo, vários integrantes do banco do Inter invadiram o campo para reclamar do pênalti não marcado em Bustos A pressão continuou também no corredor até os vestiários.

O segundo tempo começou com o Inter mais no campo ofensivo, enquanto o River passou a usar muito da catimba para gastar o tempo. Apesar da pressão, o time brasileiro não levou perigo ao gol de Armani, o que aumentou o nervosismo no Beira-Rio.

Quando parecia que o bom toque de bola do River poderia prevalecer, Mercado, aos 25 minutos, nem precisou subir para cabecear, após escanteio na direita: 1 a 0, Inter.

Em vantagem, o Inter aumentou o ritmo e concentrou as jogadas pela esquerda com Enner Valencia. Em uma delas, o atacante foi derrubado por González Pírez. Na cobrança de falta, a bola batida por Alan Patrick desviou na barreira e entrou: 2 a 0.

O River não se entregou e partiu em busca de pelo menos um gol para levar a disputa da vaga para os pênaltis. E o esforço argentino foi recompensado, aos 45 minutos, com Rojas, após escanteio cobrado pela direita.

O prejuízo do Inter poderia ter sido pior. Aos 48, Aliendro bateu firme e Rochet fez grande defesa. No minuto seguinte, Mercado salvou finalização de Beltrán, após falha de Igor Gomes.

Nos pênaltis, após empate por 8 a 8, depois de nove cobranças de cada lado, o árbitro trocou de trave por causa do meu estado da marca de pênalti.

Palavecino, Beltrán, Nacho, De la Cruz, Colidio, Aliendro, Solari (duplo toque), Enzo Díaz, Paulo Díaz, Rojas (trave) foram os cobradores do River. Pelo Inter bateram Luiz Adriano, Enner Valencia, Bruno Henrique, Pedro Henrique, Renê, Mercado, De Pena (na trave), Johnny, Igor Gomes e Rochet.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 2 (9) X 1 (8) RIVER PLATE

INTERNACIONAL – Rochet; Bustos (Igor Gomes), Vitão, Mercado e Renê; Johnny; Maurício (Pedro Henrique), Aránguiz (Luiz Adriano) e Wanderson (Carlos de Pena); Alan Patrick (Bruno Henrique) e Enner Valência. Técnico: Eduardo Coudet.

RIVER PLATE – Armani; Casco (Rojas), González Pírez (Palavecino), Paulo Díaz e Enzo Díaz; Enzo Pérez (Nacho Fernández), Aliendro, De la Cruz e Barco (Colidio); Lucas Beltrán e Solari. Técnico: Martín Demichelis.

GOLS – Mercado aos 25 e Alan Patrick aos 32 e Rojas aos 45 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Armani, Aránguiz, Solari, Vitão, Wanderson, González Pírez, Alan Patrick e Rochet

ÁRBITRO – Andrés Matonte (URU).

RENDA – Não divulgada.

PÚBLICO – 50.469 torcedores (recorde).

LOCAL – Beira-Rio, em Porto Alegre (BRA).