Os Jogos Parapan-Americanos de Santiago estão oficialmente abertos. A cerimônia que deu início ao megaevento ocorreu na noite de sexta-feira (17), no Estádio Nacional, com homenagens a pioneiros do esporte paralímpico chileno e destaque à cultura local e à importância do país-sede na astronomia mundial. A competição segue até o dia 26 de novembro, com 1.927 atletas de 33 países.

A cerimônia começou às 20h45, com a bandeira do país-sede trazida pela nadadora chilena Valentina Muñoz, ouro no Parapan de Lima, no Peru, em 2019. Após a execução do hino nacional dos anfitriões, as delegações participantes desfilaram em ordem alfabética – a exceção do próprio Chile, última a se apresentar no estádio.

Quinta a desfilar, a delegação do Brasil teve como porta-bandeiras Claudiney dos Santos, bicampeão paralímpico do lançamento do disco, e Mariana d’Andrea, ouro na Paralimpíada de Tóquio, no Japão, em 2021. O país está em Santiago com 324 atletas com deficiência, além de dez atletas-guia do atletismo (que auxiliam os corredores cegos), três calheiros da bocha (modalidade para esportistas com elevado grau de comprometimento motor) e dois goleiros do futebol de cegos (únicos do time que enxergam).

Após o desfile, o centro do campo deu lugar à representação de uma metrópole, alusiva a Santiago, com a performance de artistas simbolizando o cotidiano urbano, trazendo elementos como skate e dança de rua. A brasileira Tamara Catharino foi responsável pela coreografia. As cantoras chilenas Ana Tijoux e Kya deram voz à canção oficial do evento, “A La Cima”, acompanhadas pelo grupo de hip hop Movimiento Original.

A bandeira do Comitê Paralímpico das Américas (APC, sigla em inglês) foi trazida por seis personalidades do esporte adaptado, entre elas o ex-nadador Gabriel Vallejos, primeiro a representar o Chile em Paralimpíadas, nos Jogos de Barcelona, na Espanha, em 1992. O presidente chileno, Gabriel Boric, declarou o Parapan aberto, enquanto Victor Hugo Silva, capitão da seleção anfitriã de futebol de cegos, realizou o juramento do atleta.

“Durante os próximos dias, vocês [atletas] terão a oportunidade de mostrar a si e a todos, com disciplina e dedicação, que é possível realizar sonhos. Vocês representam toda a América unida em Santiago. São embaixadores dos valores do movimento paralímpico, como coragem e dedicação, que vão inspirar a todos”, destacou o presidente do APC, Julio César Ávila, em discurso.

A reta final da cerimônia reservou uma apresentação em referência ao Alma, instalação no deserto do Atacama, com 66 antenas, a mais de cinco mil metros de altitude e que é considerado o maior projeto astronômico do mundo. Com luzes simbolizando estrelas, 300 drones criaram diferentes constelações no céu de Santiago.

A pira do Parapan foi acesa por Cristian Valenzuela, primeiro chileno a conquistar uma medalha de ouro paralímpica, nos Jogos de Londres, no Reino Unido, em 2012, na prova dos cinco mil metros da classe T-11 do atletismo (cego total). A cerimônia chegou ao fim com mais apresentações musicais, dos cantores Denise Rosenthal, Beto Cuevas, Pablo Chill-E, Flor del Rap e, novamente, Ana Tijoux.

Fazer história

Apesar de a cerimônia de abertura ter ocorrido nesta sexta, uma das 17 modalidades do evento já havia iniciado na última quinta-feira (16): o tênis de mesa, com as disputas individuais. O Brasil tem 20 atletas garantidos em semifinais masculinas e femininas. Portanto, são 20 medalhas asseguradas ao país, pois não há jogo pelo terceiro lugar. Resta saber a cor delas. Em quatro classes, o duelo por uma vaga na final será entre mesatenistas brasileiros.

O resultado já supera o de Lima, ao menos em número de medalhas. Há quatro anos, os brasileiros alcançaram 19 pódios individuais na modalidade.

Desde a edição de 2007, no Rio de Janeiro, que o Brasil encerra o quadro de medalhas do Parapan no topo. Em Lima, o desempenho foi recorde, com 308 medalhas e 124 ouros.