O técnico Abel Ferreira reforçou seu compromisso contratual com o Palmeiras até dezembro de 2024 e vai permanecer no clube ao menos até o fim de seu vínculo. Assim, ele comunicou seu desejo de permanecer à diretoria em reunião com a presidente Leila Pereira nesta sexta-feira (8). Também estiveram no encontro o vice-presidente, Paulo Buosi, e o diretor de futebol, Anderson Barros.

O clube comunicou que, na reunião, Leila e Abel “avaliaram os objetivos alcançados pelo clube em 2023, com a conquista de três títulos em cinco competições disputadas, e deram continuidade ao planejamento para a próxima temporada”.

O técnico participa ativamente do planejamento para 2024 e, como nos outros anos, entregou um relatório elaborado por ele e seus auxiliares com um balanço sobre a temporada que terminou na última quarta-feira.

A dúvida sobre o futuro de Abel aumentou com as sinalizações repetidas de que ele está exausto e, principalmente, com a proposta do Al-Sadd, do Catar, que lhe tornaria o técnico mais bem pago do mundo.

Abel reforçou necessidade de dar atenção à família

O treinador havia dado sinais diferentes. Reiterou ser um profissional que cumpre seus contratos, mas, sempre fazia ressalvas ao afirmar que não sabia se teria mais para continuar seu trabalho e para motivar os jogadores. Também ressaltou que precisa dar mais atenção à família, embora suas duas filhas e a mulher morem com ele em desde julho do ano passado.

“Nesses últimos anos fiz as escolhas no ‘eu’, no que era melhor para minha carreira. Não o que era melhor para minha família. Chegou a hora de pensar neles”, disse ele no Bola de Prata. Foi nessa mesma premiação da ESPN, em que recebeu o prêmio de melhor técnico do Brasileirão, que o treinador indicou que vai permanecer. “Acho que sim”, respondeu, brevemente, sobre a permanência. “A única coisa que posso dizer é que vou decidir com o coração e com a cabeça”.

Dessa forma, Abel repete 2021 ao fazer suspense sobre seu futuro e afirmar em várias entrevistas que está cansado e desgastado depois de pouco mais de três anos no comando do .

Então, os problemas do futebol brasileiro, como as longas viagens e a quantidade de jogos espremidos, com intervalo curto entre eles, são frequentemente sublinhados pelo técnico. Os gramados ruins e os erros da arbitragem também são motivos de chateação do português

Técnico não abordou renovação

No início do ano passado, depois de muito suspense, ele decidiu estender seu contrato até o fim de 2024. Desta vez, o Palmeiras acenou com a possibilidade de lhe oferecer uma renovação de 3 anos, mais aumento salarial e pagamento de bonificação.

No entanto, Abel não quer nem conversar sobre isso. Seu plano é permanecer até o fim do ano que vem apenas, cumprindo sua palavra.

O treinador é feliz no Palmeiras. Considera parte do elenco como filhos, gosta de sua rotina e sempre elogia a diretoria, mas não quer discutir uma nova extensão de contrato em decorrência do desgaste mental.

“Disse a vocês que estou cansado. Ao contrário do que alguns pensam, ganhar de forma consecutiva dá muito trabalho. Desgaste muito grande, é preciso ter muita energia. A minha função é cuidar e motivar dos outros. E a mim, quem faz isso comigo?”, questionou o técnico, segundo o qual suas decisões não são tomadas pensando no lado financeiro.

“Nunca foi uma questão de dinheiro, senão tinha saído há dois ou três meses”.

Considerado por muitos o maior técnico da história do Palmeiras, incluindo Luiz Felipe Scolari, Abel Ferreira ostenta nove troféus. São duas taças da Libertadores, duas do Brasileirão, duas do Paulistão, uma Copa do Brasil, uma Supercopa do Brasil e uma Recopa Sul-Americana. Assim, ele é o segundo maior campeão pelo Palmeiras. Apenas Oswaldo Brandão, dono de 10 títulos, ganhou mais.