Quase 20 mil pessoas podem ser consideradas aprovadas no CNU (Concurso Nacional Unificado), já que os editais preveem a formação do cadastro reserva com pelo menos o dobro do número de vagas disponíveis. Os concursos públicos, em geral, formam esse cadastro, além das vagas para preenchimento imediato, que no caso do CNU são 6.640. Mas como isso vai funcionar?

Como o concurso tem duração de um ano e há possibilidade de ser prorrogado por mais um, os aprovados na de espera podem ser chamados, dentro desse período, para ocupar a vaga de alguém que tenha desistido ou que não foi aprovado na fase de curso de formação ou prova de títulos, por exemplo. A homologação do resultado está prevista para 30 de julho.

Quem permanecer no cadastro reserva também pode ser chamado em caso de autorização de novas vagas para o órgão ou de aposentadoria de pessoal. Outra situação prevista no CNU é a convocação para vagas temporárias. Neste caso, o candidato volta para a lista de espera por um cargo efetivo após tempo determinado de serviço finalizar.

Lista de espera

Segundo a ministra de Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Ester Dweck, o banco de candidatos será formado por todos que não tenham sido aprovados em sua primeira opção de cargo, conforme ordem de preferência indicada na inscrição.

“A partir do momento que entrou em um cargo, se a pessoa não obteve a primeira opção, ela vai continuar na lista de espera daqueles cargos que estão acima. Se ela entrou, por exemplo, na terceira opção que fez, ela continua num cadastro reserva da primeira e da segunda opções, mas não fica mais no cadastro reserva daquelas que estava abaixo”, explica.

Para ficar no cadastro reserva, é preciso alcançar a pontuação mínima exigida nas provas para cada cargo a que concorre, com o cálculo das notas conforme descrito no edital.

As inscrições para o Concurso Nacional Unificado terminam nesta sexta-feira (9). A taxa é de R$ 60 para os cargos de nível médio e de R$ 90 para os de nível superior. Para fazer a inscrição, é preciso ter uma conta gov.br, que pode ser feita por qualquer pessoa com CPF pelo aplicativo ou pelo site gov.br.

Até o começo da semana 1,5 milhão de pessoas já haviam se inscrito. Sul-mato-grossenses não precisam sair do Estado para fazer a prova, que está marcada para 5 de maio.

Atuação em MS

Para atuação no Estado, haverá vagas específicas no Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) – para funções como analista administrativo, analista em reforma e desenvolvimento agrário e engenheiro agrônomo – e para órgãos como a Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) e IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em MS, haverá provas em quatro cidades: Campo GrandeCorumbáDourados e Três Lagoas. As provas serão descentralizadas e ocorrerão em 220 cidades no mesmo dia. O Concurso Unificado terá 6.640 vagas para 21 órgãos da administração pública federal no total.

A divulgação dos resultados das provas objetivas e preliminares das provas discursivas e redações será realizada em 3 de junho. O resultado sai em 30 de julho. Em 5 de agosto terá início a etapa de convocação para posse e realização de de formação.

Vagas

Entre as 6.640 vagas abertas, 5% são reservadas para PCDs (Pessoas com Deficiência) e 20% para pessoas negras. Além disso, 30% dos cargos da Funai (Fundação Nacional do Índio) são destinados a indígenas. Os editais podem ser conferidos clicando aqui.

No momento da inscrição, o candidato vai poder escolher apenas um bloco temático entre os oito disponíveis (áreas de atuação do Estado e perfil profissional desejado). Ele poderá concorrer a todos os cargos dentro do bloco.

Clique no bloco para conferir o detalhamento das vagas

BlocoÁreasVagas
1Infraestrutura, Exatas e Engenharias727
2Tecnologia, Dados e Informação597
3Ambiental, Agrário e Biológicas530
4Trabalho e Saúde do Servidor971
5Educação, Saúde, Desenvolvimento Social e Direitos Humanos1.016
6Setores Econômicos e Regulação359
7Gestão Governamental e Administração Pública1.748
8Nível Intermediário692