O volume de serviços em cresceu 7,5% em agosto, comparado a julho. Essa é a maior alta do país, considerando o resultado dos 27 estados e acima da média nacional, que foi de retração no mês.

Já na comparação com agosto de 2022, o volume de serviços teve aumento ainda maior, de 13,9%. O que mostra recuperação no setor, que apresenta queda na comparação do ano. Os dados são da Mensal de Serviços publicada nesta terça-feira (17) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A pesquisa tem o objetivo de produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução conjuntural do setor de serviços empresariais não financeiros e de seus principais segmentos.

Nacionalmente, setor teve queda

Em agosto de 2023, o volume de serviços no Brasil caiu 0,9% frente a julho, na série com ajuste sazonal, após ter acumulado um ganho de 2,1% no período maio-julho. O setor de serviços está 11,6% acima do nível de fevereiro de 2020 (pré-pandemia) e 1,9% abaixo de dezembro de 2022 (auge da série histórica).

Entre os estados, 19 das 27 unidades da federação tiveram retração no volume de serviços em agosto de 2023, na comparação com o mês imediatamente anterior, acompanhando o recuo observado no resultado do Brasil.