Mato Grosso do Sul confirmou o primeiro caso de gripe aviária nesta segunda-feira (18), conforme informações do Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária). O caso foi confirmado em uma ave criada de maneira doméstica no município de Bonito – distante 250 km de Campo Grande.

Ainda de acordo com o ministério, o vírus da influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP – H5N1) foi encontrado em uma ave doméstica e criada para subsistência. O Brasil tem total de 100 casos de gripe aviária em aves silvestres e três em aves de subsistência, sendo o de Mato Grosso do Sul o terceiro deles.

As medidas sanitárias estão sendo aplicadas pelo Serviço Veterinário Oficial para contenção e erradicação do foco, bem como estão sendo intensificadas as ações de vigilância em populações de aves domésticas na região.

O Mapa explica que a ocorrência do foco confirmado da doença em aves de subsistência não traz restrições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros. O consumo e a exportação de produtos avícolas permanecem seguros.

Também não há mudanças no status brasileiro de livre da influenza aviária perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), por não haver registro da doença na produção comercial.

MS está em alerta para a doença desde junho

Em 2 de junho, o Governo do Estado publicou decreto onde declara Estado de Alerta Zoossanitário em Mato Grosso do Sul devido a gripe aviária. Na publicação ainda institui o Sistema de Monitoramento, avisos e ações para fins de prevenção da doença.

O decreto foi uma resposta estadual diante da declaração de estado de emergência zoossanitária estabelecido pelo Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária) em todo território nacional, por 180 dias, em função da detecção da infecção da gripe aviária em aves silvestres no Brasil.