Mato Grosso do Sul está reforçando a segurança sanitária das fronteiras para evitar potenciais casos de gripe aviária, em decorrência do trânsito irregular de aves. A ação acontece em meio a uma declaração de estado de emergência zoossanitária em todo o Brasil por 180 dias.

A decisão do Ministério da Agricultura acontece em meio a confirmações de casos da doença em outros estados e países vizinhos, como o Paraguai. O vírus da influenza aviária H5N1 de alta patogenicidade (IAAP) em aves silvestres no Brasil pode atingir o setor de avicultura.

Daniel Ingold, diretor-presidente da Iagro/MS, explica que a doença se dá em aves migratórias ou devido ao trânsito de animais de maneira irregular. Para evitar que a gripe viária chegue ao Estado, a Iagro tem intensificado a vigilância na região de fronteira, que conta com quatro equipes.

As equipes atuam em Porto Murtinho, Bela Vista e duas em Corumbá. “A gripe aviária tem nos preocupado bastante, tivemos caso de aves silvestres no Espírito Santo e também no Paraguai, recentemente”.

Portaria 587 da União

Publicada na noite desta segunda-feira (22), em edição extra do Diário Oficial da União, a Portaria 587 confirma a declaração de estado de emergência zoossanitária em todo território nacional por 180 dias.

Também prorroga, por tempo indeterminado, a vigência da Portaria 572, de 29 de março de 2023, que estabelece medidas preventivas contra o ingresso e a disseminação da influenza aviária de alta patogenicidade.

O diretor-presidente da Iagro/MS explica que, na prática, essa portaria nos permite a ter recursos federais para controle da doença na região de fronteira. “Vale lembrar que não temos nenhum caso no Estado, nosso trabalho é de alerta e de informação”.