Salário de frentista de MS passa por reajuste de 10,07% e piso aumenta para R$ 1,5 mil

Valor deve ser repassado aos trabalhadores da categoria na remuneração de março
| 25/02/2022
- 13:19
Unicamp vai fiscalizar combustíveis em MS
(Foto: Leonardo de França/Midiamax)

O salário dos frentistas de passou por um novo reajuste, nessa quinta-feira (24), após reunião com representantes da categoria, de 10,07%. Com isso, o piso salarial sobe para R$ 1.503,00, mais adicional de periculosidade, pode chegar a R$ 1,9 mil, e deve ser ajustado a partir de março.

De acordo com o Sinpospetro-MS (Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis Derivados de Petróleo de MS), a negociação aconteceu com trabalhadores, empresários e a Sinpetro-MS (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes MS).

Quanto aos trabalhadores que já recebem acima do valor reajustado, o presidente do Sinpospetro, José Hélioda Silva, informou que a negociação deve ser livre com o empregador, desde que não seja inferior a 10,07% sobre o salário de fevereiro deste ano. “Consideramos uma vitória aos trabalhadores o resultado dessa negociação”.

Pelo acordo também, o salário de gerente de posto será, no mínimo, superior a 100% do piso salarial fixado para frentistas, lavadores, atendentes de escritório, auxiliares de serviços gerais, valeteiros, lubrificantes, vigias, caixa interno do posto e atendentes de loja de conveniências, que é de R$ 1.503,00.  O cartão alimentação dos funcionários terá um aumento de 28%. O trabalhador terá a opção de receber o cartão ou receber uma cesta básica com produtos alimentícios e de higiene e limpeza. Esse é outro avanço nas negociações, em benefício dos trabalhadores, afirma o presidente José Hélio da Silva.

A negociação trouxe outra novidade para os trabalhadores e acrescentou que o seguro de vida em grupo em caso de morte ou invalidez do empregado segurado terá um aumento de mais de 92%, passando dos atuais R$ 13 mil para no mínimo R$ 25 mil.   

Veja também

A taxa de desemprego no Brasil chegou a 9,4% em abril deste ano, o menor...

Últimas notícias