Endividamento se mantém estável, mas inadimplência cresce

O cartão de crédito ainda é o grande vilão de muitas famílias campo-grandenses, no quesito endividamento comprometendo parte da renda, com 65,5%, os carnês ocupam o segundo lugar com 27,2% e financiamentos com 16,8%.

“A inadimplência só tem aumentado, principalmente, nas classes mais baixas, com prestações que muitas vezes não passam de 50 reais”, fala o economista Tales Campos. De acordo com o economista com o aumento da inadimplência o empresário é o que mais sofre. “Muitos já estão devolvendo mercadorias encalhadas por que muitos produtos ficaram encalhados com a recessão”, explica.

Segundo a pesquisa feita pela (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso do Sul), 62,1% das famílias tem compromisso de parcelas a pagar, sendo que 13,6% afirmaram que não possuem condições de quitar as dívidas contra 10,1% no ano passado.

“O cartão de crédito possui um dos mais elevados juros chegando a 356% ao ano. E as pessoas continuam usando esta forma de crédito de forma ainda muito irresponsável, com a falsa impressão de renda, não tendo como pagar depois”, ressalta Tales Campos.

A pesquisa aponta que 45% da população não têm condições de pagar as dívidas, 11,3% afirmaram pagar totalmente o que devem e 38,3% apenas parcialmente a dívida. Mais da metade das famílias campo-grandenses estão com a renda familiar comprometida.

“Organização financeira, pagando as dívidas conforme a disponibilidade, mas de forma responsável”, explica o economista.