Aprovada desde março, deste ano, a vacina Qdenga é um novo imunizante que tem o objetivo de auxiliar no combate ao vírus da dengue, propagado pelo mosquito Aedes aegypti. Mas aqueles que desejarem se imunizar devem buscar por laboratórios e clínicas particulares, pois a vacina não está sendo ofertada pelo SUS.

Em Três Lagoas quem deseja tomar a vacina terá que desembolsar em média R$1.140,00, saindo R$520,00 por dose. Segundo a enfermeira Rafaela Coltrin, que trabalha em uma clínica particular, o imunizante ainda está com um custo elevado no mercado.

“Quando é feita a compra da vacina, o custo que temos é muito alto, e com isso precisamos repassar isso para o cliente. Mas, como são duas doses, tentando fazer um valor que caiba no bolso deles”, disse.

Já em Corumbá, o valor por dose já é um pouco maior, chegando a R$600,00. Apesar do custo ser mais elevado, de acordo com a enfermeira especialista em imunização, Ianick Viana Valério Faria “a procura tem sido muito grande, e por diversas idades, por incrível que pareça e isso é um sucesso devido a quantidade de casos que temos nos períodos de endemias”.

Ranking de Casos

De janeiro a setembro de 2023, Três Lagoas registrou 4.582 casos confirmados de dengue e seis mortes, conforme dados do Boletim Epidemiológico da SES-MS (Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul).

Em total de números de casos por município, Três Lagoas ocupa o segundo lugar no ranking estadual, ficando atrás apenas de Campo Grande. Já em número de óbitos, a região é onde mais pessoas morreram pela doença neste ano.

De acordo com a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde de Três Lagoas, o imunizante ainda não tem previsão de ser disponibilizado pelo SUS ou de ser incorporado ao PNI. Também não há previsão de qual público será contemplado em um primeiro momento de uma possível campanha.

Corumbá

Em Corumbá foram registrados 1.679 casos, colocando o município em terceiro lugar do ranking estadual. Apesar do grande número de casos, não houve nenhum óbito na cidade.

Em nota a Secretaria Municipal de Saúde informou que ainda não fez nenhuma solicitação neste sentido porque atua conforme as orientações e disponibilidade do Ministério da Saúde, onde o Programa Nacional de Imunização é vinculado diretamente. E até o momento não foi dada nenhuma orientação sobre essa vacina.

Vacina

A Qdenga é fabricada pelo laboratório japonês Takeda Pharma e é considerada uma inovação no sistema de saúde. Mas apesar da vacina Qdenga ter sido aprovada em março, a sua comercialização em território brasileiro só foi iniciada no mês de junho.

A vacina é licenciada de 4 a 60 anos de idade. Não podendo ser realizada antes dos 4 anos e após s 60 somente com prescrição e orientação médica. A aplicação é realizada na via subcutânea, sendo necessárias duas doses. A segunda dose deve ser tomada após um período de três meses. A eficácia, segundo estudos realizados pela Anvisa, é de 80% na prevenção contra o vírus e de 90% para evitar hospitalizações.