Lojistas de se adiantaram e já ofertam produtos de listas de materiais escolares. Então, pais aproveitam para fazer pesquisas de e garantir os melhores descontos para o ano letivo de 2023.

Há 29 anos no ponto da Dom Aquino, Jorge Fernandes afirma que as pessoas se adiantaram para compra do material escolar. Assim, o proprietário da papelaria destaca que o movimento aumentou 10% em relação ao ano passado.

“Nessa época a loja fica muito cheia, aumenta o quadro de funcionários em 20% e mesmo assim não damos conta”, explicou. A equipe que atende pelo e também foi reforçada, são seis pessoas neste setor.

Isso porque muitos pais fazem o orçamento à distância. Para ele, o movimento se dá pela disponibilização da lista de material já no final deste ano letivo.

Este não é o caso de Fábio Shimoya e sua filha. Embora não tenham a lista, se adiantaram na pesquisa de preços de alguns itens.

Aproveitando o final de ano, o açougueiro, esposa e filha olhavam os preços de produtos de papelaria. Ao Jornal Midiamax, afirmaram que devem voltar depois do Natal na esperança de preços melhores.

Materiais escolares até 10 vezes mais caros

Itens de materiais escolares podem custar até 10 vezes mais caro em Campo Grande. É o que aponta a pesquisa realizada pelo Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor).

Assim, a pesquisa revelou que um apontador pode custar até 10 vezes mais caro em uma das 10 lojas pesquisadas. Ou seja, a variação do preço de alguns itens atingiu mais de 900% em Campo Grande. É o caso de um apontador encontrado por R$ 0,24 até R$ 2,50.

A pesquisa aconteceu entre 1º e 8 de dezembro, em 10 estabelecimentos da Capital. Então, com 191 itens pesquisados, 185 foram divulgados pela Superintendência. Para conferir a lista, clique aqui.