Reunião entre a prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (Patriota) e a (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos), que aconteceria na tarde desta sexta-feira (24), foi remarcada para a próxima semana.

A reunião iria discutir a questão do estacionamento rotativo no Centro, que, nesta semana, completou 1 ano sem o parquímetro. De acordo com a Assessoria de Comunicação da prefeita, o adiamento ocorreu pois o Executivo Municipal vai buscar “uma decisão amparada pelo Ministério Público”.

Nessa semana, completou um ano desde que Campo Grande amanheceu sem a cobrança de parquímetros da empresa Flexpark, no Centro da cidade. O fim da cobrança se deu após a não renovação do contrato de concessão entre a empresa e a prefeitura.

Sem estacionamento

Um ano depois, a Capital ainda vive a incerteza sobre a volta da cobrança, consumidores passam raiva sem achar vagas ocupadas por carros que “moram” nas ruas e donos de estacionamentos privados comemoram aumento de até 50% no movimento.

Donos de estacionamentos comemoram o aumento no movimento nos últimos 12 meses. Bruno Mathias, de 25 anos, trabalha num estacionamento localizado na Rua Dom Aquino. O espaço, que ocupa quase uma quadra, não parou de receber carros e motos durante a visita do Jornal Midiamax.

Segundo Mathias, a procura aumentou em 50% desde que a Flexpark encerrou suas atividades na Capital. “Teve bastante aumento porque na Dom Aquino, logo pela manhã, como já não tem que pagar parquímetro, o pessoal que trabalha no centro já lota a rua. Então, os clientes que vêm para o centro não acham vaga na rua e, mesmo que queiram, não conseguem. Daí vêm para o estacionamento privativo porque é mais fácil e mais seguro para evitar batidas no carro”, explica.

Questionado se a contratação de nova empresa influenciaria no movimento do estacionamento, Bruno explica que o retorno do parquímetro seria uma concorrência. No entanto, “quem opta pela segurança acaba vindo nos estacionamentos privativos. Quem estaciona para ir numa loja rapidinho vai preferir o parquímetro”, diz.

Saiba Mais