Apesar de luminoso, o pôr do sol que chamou a atenção em Campo Grande e rendeu até cliques impressionantes, na tarde de quinta-feira (26), registrava uma camada fina de fumaça causada por incêndios.

A meteorologista do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), Valesca Fernandes, explica que, ao que indica, a fumaça pode ser decorrente de incêndios com do Mato Grosso, além de incidência em .

Recentemente, o Corpo de combateu por quatro dias focos nas regiões de Nabileque, Nhecolândia, e Paiaguás, já na divisa entre Corumbá com o Mato Grosso. Chuvas auxiliaram na extinção das chamas na quinta-feira (26).

Os focos surgiram em áreas de difícil acesso, segundo o CPA (Centro de Proteção Ambiental), os militares foram acionados no último sábado (21), mas só conseguiram chegar à região do Paiaguás na terça-feira (24).

“Na divisa do Mato Grosso com o Mato Grosso do Sul foi necessário realizar a travessia do rio Correntes com uso de uma balsa”, disse a tenente-coronel Tatiane Inoue, chefe do CPA.

Ainda ontem, equipes combateram os focos na região do Nabileque, próximo a reserva indígena Kadiwéu.

Saiba Mais