Se para a prefeitura de Campo Grande a redução da frota de ônibus do Consórcio Guaicurus e mudança nas tabelas das linhas que cruzam os bairros são justificadas, para quem usa diariamente o transporte público, o serviço precário faz com que a rotina precise ser totalmente ajustada conforme as decisões do grupo de empresas que explora o transporte público da Capital há uma década.

Nesta quarta-feira (22), após uma série de reportagens do Jornal Midiamax sobre frota sucateada, verbas milionárias garantidas e redução na quantidade de ônibus, o titular da Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos), Odilon Júnior, defendeu o Consórcio Guaicurus e ainda questionou as reclamações dos usuários.

“Cortaram mesmo as linhas? Se sim, é só comunicar a Agência (Agereg) que nós vamos tirar satisfação disso. Uma coisa é o senso comum da população achar que as coisas aconteceram. Outra é realmente acontecer”. O secretário também questionou de passageiros pela redução de linhas e mudança em horários dos ônibus. “Por falta de uso da população ou por querer? É isso que nós temos que levantar. População tem que procurar a gente através das redes sociais. A gente abre um processo e verifica a questão”, disse o secretário durante seminário na Câmara Municipal.

A prefeitura de Campo Grande, questionada pelo Jornal Midiamax, justificou a redução das linhas de ônibus. Por meio da assessoria de imprensa, o município informou que nos últimos anos a Capital teve redução de 25% na quantidade de passageiros e que a frota é programada conforme a demanda das linhas.

No bairro, passageiros sentem na pele a diminuição das linhas

Mudança no horário de circulação e retirada de carros da linha 409 do transporte coletivo, que faz trajeto entre o Bairro Vila Popular e o Centro de Campo Grande, se transformaram em dor de cabeça para moradores que utilizam o serviço.

Com alteração feita há quase um mês pelo consórcio Guaicurus, passageiros amargam longa espera que aumentou em até uma hora o tempo gasto em função dos ônibus.

“O Consórcio Guaicurus precisa olhar o lado do passageiro, é cruel o que estão fazendo com a gente”, comenta o porteiro Marcos Roberto da Silva Maciel, de 49 anos. Morador do Vila Popular, o trabalhador conta que sai do serviço às 6h e espera pelo 409 no ponto que fica na Rua , esquina com a Rua 13 de Maio. 

“Antes passava às 6h05, 6h14, 6h22 e 6h42. Como saio do serviço às 6h, sempre peguei a volta de 6h14, mas agora, mudaram sem qualquer aviso prévio e os carros só passam recolhendo”, comenta. 

Conforme o trabalhador, o ônibus das 6h05 teve horário adiantado em cinco minutos, o próximo só às 6h54. “Aumentou em praticamente uma hora o tempo de espera. Eu saio do serviço cansado depois de trabalhar a noite toda e sou obrigado a ficar lá. Chego na minha casa praticamente 8h”, detalha. 

Segundo ele, no fim de semana a coisa só piora e a espera chega a uma hora e meia. “A gente que trabalha à noite quer chegar em casa rápido para descansar, mas fica refém dessa situação. É triste”, completa. 

O Jornal Midiamax procurou a assessoria de comunicação do Consórcio Guaicurus cobrando posicionamento sobre as mudanças apontadas pelo usuário, no entanto, até o fechamento desta matéria não tivemos retorno.

Ônibus lotado no Centro de Campo Grande. (Foto: Fala Povo)

Frota tem 140 ônibus a menos

A prefeitura de Campo Grande confirmou ao Jornal Midiamax que a frota de ônibus da Capital está reduzida. O Consórcio Guaicurus tirou de circulação 140 ônibus nos últimos três anos, passando de 552 em 2019 para 412 em 2022.

Em contrapartida, Campo Grande ganhou 36 mil novos moradores, saltando de cerca de 906 mil em 2019 para 942 mil no ano passado, conforme dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O número está abaixo do mínimo estipulado em contrato, que é de 575 ônibus em circulação. Enquanto isso, passageiros precisam aguardar mais de 1 hora para conseguir um ônibus, dependendo do horário e da linha.

Ônibus fantasmas tiram a paz do passageiro

Se não bastasse a frota reduzida e sucateada, os passageiros do Consórcio Guaicurus ainda enfrentam mais problemas: os ‘ônibus ‘fantasmas’.

Diversos são os relatos de leitores do Jornal Midiamax que, mesmo atentos aos horários dos ônibus pelos aplicativos, se deparam com a frustração de esperar em vão. Há também a situação de muitos atrasos confirmados pelos aplicativos.

Os relatos de ônibus fantasmas ocorrem geralmente em linhas de bairros, sendo menos comuns em linhas mais populares. Ainda que na região central, a estudante geralmente enfrenta problemas na linha 205, no ponto na avenida Mato Grosso, quase esquina com a rua Rio Grande do Sul.

Prefeitura repassa verba milionária ao Consórcio Guaicurus

Somente em 2022, o Consórcio recebeu R$ 31,2 milhões em verbas públicas, sem apresentar melhorias no serviço prestado. Somando, assim, mais de R$ 63 milhões em dois anos.

Com a aprovação da isenção do (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) e de subsídios do município e governo do Estado como forma de custear as gratuidades com o passe estudantil – que há pouco tempo eram incorporadas à tarifa -, a tarifa técnica caiu para R$ 5,15, com passe pago pelo usuário final no valor de R$ 4,65.

Então, o governo do Estado firmou repasse anual de R$ 10 milhões e o município de Campo Grande estabeleceu subsídio no valor de R$ 12 milhões. Já o valor do ‘perdão’ do ISSQN anual chega a R$ 10 milhões. Com isso, o grupo de empresas que explora o transporte coletivo da Capital terá R$ 32 milhões em recursos públicos e perdão de dívidas só em 2023.

Reportagem do Jornal Midiamax mostrou que, somente em 2023, o Consórcio Guaicurus receberá mais de R$ 32 milhões entre subsídios do poder público e benefícios fiscais. Apesar disso, o grupo de empresas de ônibus de Campo Grande mantém frota sucateada e é alvo de reclamações diárias de passageiros.

Vale lembrar que o Consórcio Guaicurus não coloca novos ônibus em circulação desde 2019 e mantém frota com média acima da estipulada em contrato de concessão, conforme apontou perícia judicial em ação ingressada pelas próprias empresas de ônibus na Justiça.

A expectativa é de que o número de novos ônibus possa chegar a 30 até o fim do ano, para dar alívio aos usuários que pagam tarifa de R$ 4,65 e que coloca Campo Grande com o 10º passe mais caro entre as capitais.

A concessão do transporte público de Campo Grande, alvo de processo na Justiça de Mato Grosso do Sul por suspeita de corrupção, foi entregue ao Consórcio Guaicurus após licitação encerrada em outubro de 2012, no “apagar das luzes” da gestão do então prefeito Nelsinho Trad (PSD).

O grupo formado pelas empresas Viação Cidade Morena, São Francisco, Jaguar Transportes Urbanos e Viação Campo Grande ganhou o direito de explorar o transporte da cidade por duas décadas. O faturamento previsto à época somava a quantia bilionária de R$ 3,4 bilhões.

Confira as reportagens da série sobre o transporte público de Campo Grande

Saiba Mais