Com a confirmação de caso de influenza aviária em , a Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação) montou barreiras sanitárias na região onde o foco foi detectado. Nesta quarta-feira (20), o Gease-MS (Grupo Especial de Atenção à Suspeita de Enfermidades Emergenciais ou Exóticas de Mato Grosso do Sul) deve se reunir novamente para discutir o assunto e tratar novas estratégias para a situação.

Segundo o titular da Semadesc, Jaime Verruck, as medidas aplicadas pela (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) foram tomadas para conter e erradicar o foco. Além da vigilância em populações de aves domésticas na região, veículos que circularam pelo local foram desinfetados e aves foram sacrificadas.

A propriedade onde o caso foi confirmado mantém criação doméstica e fica a cerca de 130 quilômetros de granjas comerciais. A área está sob rigorosa vigilância e medidas de contenção desde a confirmação.

De acordo com o diretor-presidente da Iagro, Daniel Ingold, na semana passada a agência foi acionada pelo dono da propriedade rural, que informou sobre a morte de aves no local. “São aves domésticas da fazenda. Foram feitos os exames e enviados para o laboratório de Campinas e foi confirmado se tratar de um caso de H5N1 que é a influenza aviária”, explicou.

Com o resultado, o Gease montou planejamento de ataque ao foco. “Foram sacrificadas todas as aves do local e são realizados exames laboratoriais deste material. Além disso, em um espaço de três quilômetros em volta da propriedade nós temos agora equipes volantes na região fazendo vigilância ativa para verificar se este vírus se propagou no espaço. O trabalho é bastante intenso e compreende ainda outro tipo de vigilância até 7 km da fazenda. Ou seja, até 10 km do foco é montada toda uma estrutura rigorosa de fiscalização e vigilância sanitária”, acrescentou.

A orientação é para que o público geral não recolha aves doentes e entre em contato com a Iagro em qualquer um dos municípios. Todas as medidas necessárias estão sendo tomadas, incluindo a eliminação das aves afetadas, e não há riscos relacionados ao consumo de produtos avícolas.

Para qualquer informação adicional ou notificação de casos suspeitos, a população pode utilizar o número de telefone do (67) 9961-9205, o “Notifica Iagro”. É importante destacar que não há mudanças no estado sanitário perante a OMSA (Organização Mundial de Saúde Animal), uma vez que não há registro dessa doença na produção comercial da região. A Iagro continua monitorando de perto a situação e tomando medidas para proteger a saúde das aves e a segurança dos alimentos em Mato Grosso do Sul.

Esse é o primeiro foco da doença registrado no Estado, e o terceiro em aves de subsistência detectado no Brasil.