Após mobilização que reuniu ao menos três mil profissionais da educação nesta quarta-feira, a prefeita de , Adriane Lopes, deve encaminhar nova proposta à ACP (Associação Campo-grandense dos profissionais da ) sobre os pedidos exigidos pelos profissionais até quinta-feira (27).

Conforme informações de Gilvano Bronzoni, presidente da ACP, a categoria se reuniu com a prefeita no fim da manhã desta quarta-feira (26). Na ocasião, foram discutidos o cumprimento da Lei do Piso Salarial, Plano de Cargo e Carreira, Segurança nas Escolas, Concurso Público, Gestão Democrática e Revogação do Novo Ensino Médio, exigências que levaram os protestantes às ruas da Capital.

Assim, Gilvano esclarece que, após a entrega do documento, a diretoria da Associação vai convocar assembleia para discutir a proposta.

O Jornal Midiamax também entrou em contato com Jaime Teixeira, presidente da (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), que confirmou a realização da reunião entre educadores e município, no entanto, alegou não ter participado. Assim, a equipe de reportagem também solicitou um posicionamento à prefeitura de Campo Grande.

“A prefeita Adriane Lopes recebeu os representantes da ACP em seu gabinete hoje pela manhã, quando ficou agendada um reunião para o dia 04.05 para dar andamento as tratativas quanto ao pleito da categoria”, informou a prefeitura por meio de nota.

Profissionais foram às ruas

Avenidas de Campo Grande amanheceram tomadas por 3 mil profissionais da educação, entre professores, administrativos e coordenadores, que participaram do ato de protesto pelo piso nacional do Magistério na manhã desta quarta-feira (26). Participantes percorreram a Avenida Afonso Pena até a sede da prefeitura.

As pautas da manifestação envolvem o cumprimento da Lei do Piso Salarial, Plano de Cargo e Carreira, Segurança nas Escolas, Concurso Público, Gestão Democrática e Revogação do Novo Ensino Médio.

Com carro de som e faixas, os profissionais se concentraram inicialmente na sede de ACP (Associação Campo-grandense dos Profissionais da Educação) e depois seguiram para a Praça Ary Coelho, onde houve concentração com profissionais da educação estadual e sindicalistas da CUT (Central Única dos Trabalhadores).

A Greve Nacional da Educação em defesa do Piso do Magistério faz parte da 24ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública, promovida pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), desde a última segunda-feira (24) e segue até a próxima sexta-feira (28). 

As aulas nas escolas municipais de Campo Grande devem retornar nesta quinta-feira (27). Nas unidades estaduais, segundo a Fetems, não houve em Campo Grande, apenas em algumas escolas do interior.