No intervalo de 11 horas, Campo Grande registrou acumulado de chuva que chegou a 95 milímetros em algumas regiões da cidade, especialmente na área sul. Na manhã desta segunda-feira (27), moradores e a Prefeitura contabilizam estragos do temporal que provocou alagamentos e até abriu cratera em ponte.

Segundo o meteorologista Natálio Abrahão, a área entre os bairros Alves Pereira e Universitário foi a mais atingida pela chuva, com cumulado de 95 milímetros no monitoramento feito entre as 20h de domingo (26) e as 7h desta segunda-feira (27).

Foi justamente nessa região que diversos estragos foram identificados por conta do temporal. Na Avenida Guaicurus, o Córrego Bálsamo transbordou, invadiu a pista e bloqueou a passagem de veículos, perto dali, na Rua Rivaldi Albert, ponte cedeu e engoliu uma caminhonete. Também houve registro de alagamentos no Residencial Rui Pimentel, que ficou debaixo d’água.

No Bairro Santa Luzia e na região do São Bento, a chuva chegou a 31,8 milímetros, já no Jardim Paraná o acumulado foi de 22,6 milímetros e na área do Carandá Bosque, 9,6.

No interior de Mato Grosso do Sul, a chuva também foi considerável em alguns municípios. De acordo com Natálio Abrahão, Três Lagoas teve chuva de 29 milímetros, Ponta Porã 23,2 e Corumbá 9,8.

De acordo com o Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), a média de chuvas registradas neste mês está acima do esperado em quase todos os municípios. Conforme balanço do Centro, Campo Grande foi o município onde mais choveu nas últimas 72 horas, com acumulado de 110, 2 milímetros. Na sequência, aparecem Corumbá com 92, Bonito com 74,8 e Sete Quedas com 69,8 milímetros.

Nesta segunda-feira (27), após dias sob alertas de tempestade e chuvas intensas, Mato Grosso do Sul saiu da rota de avisos meteorológicos do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).