A reportagem intitulada “Patrulha no campo: estratégia em MS reduz migração de bandidos, furtos de gado e sistema de ‘colheitadeiras milionárias'”, da jornalista Graziela Rezende, do Jornal Midiamax, foi um dos destaques na finalíssima do Prêmio de Jornalismo do Sindicato Rural de Campo Grande e conquistou o terceiro lugar. A entrega do prêmio aconteceu no início da tarde deste sábado (11) na sede do Sindicato Rural de Campo Grande, durante o último dia do 2º Interagro – Encontro Tecnológico do Agronegócio do Mato Grosso do Sul.

Este prêmio é mais um que vai para a galeria da experiente e consagrada jornalista Graziela Rezende. Na redes sociais, Graziela Rezende destacou que sempre quis escrever uma reportagem que fosse uma aula, tanto para ela mesma, quanto para quem estivesse lendo, independente se fosse algo específico ou não.

“Estudei o tema e aprendi antes para relatar algo que realmente está acontecendo em Mato Grosso do Sul e já soube dos frutos: operações em andamento, identificação de receptadores e o resultado é mais segurança no campo. Mais um que vai para minha estante e que tive orgulho em assinar o nome. Obrigada Deus, família e parceiros impecáveis que tenho no jornalismo”, detalhou Graziela Rezende.

Publicada no mês de maio, a reportagem fala sobre um problema enfrentado por pecuaristas e produtores rurais, na época da pandemia, com a migração de quadrilhas especializadas da cidade para o campo. Na época, com o aumento de furtos nas fazendas, em que os bandidos levavam não só maquinários como equipamentos, tais como GPS e antenas, houve pressão da categoria e eles solicitaram soluções.

Tempos depois, houve a criação da Deleagro – delegacia especializada – além do programa de segurança no campo, da PM (Polícia Militar). Em seguida, logo após a divulgação da reportagem especial do Midiamax, a polícia desencadeou uma série de operações em busca de receptadores e cumpriu dezenas de mandados, tanto em cidades do interior do Estado como em São Paulo. Além disso, um empresário, considerado um dos maiores receptadores do ramo, já teve a prisão preventiva decretada e foi preso.