Guardas municipais adiam greve a pedido da Prefeitura e nova decisão deve ser tomada dia 12

O prazo serve para os técnicos da Prefeitura analisarem melhor as demandas dos guardas
| 07/07/2022
- 10:27
Guardas municipais adiam greve a pedido da Prefeitura e nova decisão deve ser tomada dia 12
Guardas em assembleia na Praça do Rádio nesta quinta (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

Após pedido da , os guardas municipais de Campo Grande decidiram adiar em 72 horas a greve marcada para começar nesta quinta-feira (7) . A decisão foi tomada em assembleia na Praça do Rádio esta manhã. O prazo serve para que os técnicos da Prefeitura analisem melhor as demandas dos guardas e façam uma nova proposta.

Segundo o presidente do Sindgm/CG (Sindicato dos Guardas Municipais de Campo Grande), Hudson Bonfim, a nova proposta vai ser analisada na próxima terça-feira (12), às 13h, em assembleia na CDL (Câmara dos Dirigentes de Lojistas).

A categoria pede por adequação dos parâmetros de cálculos nos plantões referente ao Decreto Municipal de n° 15.101/2022, além da nomeação dos guardas que passaram no último concurso. O ofício encaminhado à prefeitura pede que a adequação seja feita em 10 dias.

Disputa judicial

Em meio à negociação, sindicato e Prefeitura disputam na a legalidade de uma eventual greve. Em primeira decisão, a Justiça de Mato Grosso do Sul considerou a greve indicada pelos guardas municipais que começaria hoje como ilegal, com aplicação de multa diária no valor de R$ 50 mil em caso de descumprimento.

De acordo com o pedido realizado por Ávalo, “o exercício do direito de greve pretendido pela categoria substituída pelo requerido é ilegal, pois tais servidores desempenham atividade de caráter essencial e de necessidade inadiável”. A decisão favorável ao município acata pedido realizado pelo procurador-geral do município, Alexandre Ávalo, contra o sindicato.

Porém, segundo Hudson Bonfim, um pedido de recurso, para barrar a decisão, foi impetrado, mas ainda aguarda julgamento. Caso a Justiça mantenha o entendimento de que servidores desempenham atividade de caráter essencial e, por isso, não podem entrar em greve, a categoria vai procurar outra forma de se manifestar, mas apenas caso a proposta apresentada na próxima terça não agrade. Se o recurso for aceito e a negociação não avançar, a greve poderá ser deflagrada na semana que vem.

Veja também

Movimento na internet ganhou força após estudante de direito se jogar de prédio na Faria Lima, em SP

Últimas notícias