Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”

Reunião para debater o aumento na conta de energia será realizada e reajuste pode ser de 16%
| 04/04/2022
- 13:40
Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”
Campo-grandenses comparam as contas dos últimos anos e reclamam do aumento. (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

Nos últimos cinco anos, o salário mínimo no Brasil acumulou de 26,3%. Em contrapartida, a elétrica em Campo Grande já acumula 38,06% de reajuste no mesmo período e pode aumentar mais 16% nos próximos dias, chegando a 54% de reajuste em cinco anos.

Em Campo Grande, a expectativa de um reajuste em dois dígitos causa indignação. “É um absurdo. O salário não sobe desse jeito e a energia cada mês é mais cara. Desse jeito, vamos ficar sem luz”, reclama a dona de casa Maria Souza.

Na casa dela, no jardim Itamaracá, vivem apenas ela e o marido, com poucos eletrodomésticos: a televisão fica desligada a maior parte do tempo; a máquina de lavar, usada apenas uma vez por semana; e o ventilador é o que fica ligado para aguentar o calor. Mesmo assim, o valor segue aumentando todos os meses.

“Em vez de diminuir, só aumenta a conta. Graças a Deus não pagamos aluguel, porque ficaria impossível”, diz a dona de casa.

6 - Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”
Moradora do Itamaracá, Maria diz que é um absurdo o aumento da energia. (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

No bairro Universitário, a dona de casa Marinalva Guedes, 56 anos, mostra as contas antigas para o Jornal Midiamax. Ela afirma que não vê motivos para aumentar tanto a conta de energia, já que ela não comprou eletrodomésticos nos últimos anos que justificassem o aumento.

1 - Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”
Marinalva guarda as contas antigas e diz que mesmo economizando, conta aumenta todos os meses. (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

Na casa vivem apenas ela e o marido, que evitam o desperdício de energia elétrica. “Durante o dia, eu fico ouvindo o rádio, mas quando vou mexer com as panelas, desligo. Se liga a TV, desliga a luz da sala. Compramos uma garrafa térmica de oito litros e colocamos água gelada para beber durante o dia e não ficar abrindo a geladeira, mas mesmo assim está sempre aumentando”, argumenta a dona de casa.

A costureira Patrícia Cristina de Souza, 48 anos, conta que já até ligou na Energisa para reclamar do aumento, mas foi informada que a energia elétrica teve reajuste para todo o Estado e que o valor a pagar era o correto. Na casa dela vivem três adultos e a conta chega aos R$ 280.

2 - Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”
Patrícia desistiu do conforto do ar-condicionado por conta da conta de energia (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

Patrícia chegou a comprar um aparelho de ar-condicionado para ter mais conforto, há dois anos, mas devido à conta de luz desistiu e vendeu o aparelho. Ela e o marido, o pedreiro Marcelo Tavares, 44 anos, dizem acreditar que as contas subiram muito nos dois últimos anos por conta da isenção que alguns consumidores tiveram por conta da pandemia.

“Eu acho que estamos pagando por quem não paga. Fica difícil assim. Está igual à gasolina que sobe todo dia. Não tem motivo esse aumento. Calorzão desse, nem chuveiro quente usamos. Nós trabalhamos só para pagar contas”, diz Patrícia.

9 1 - Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”
Consumidores dizem que aumento é rotina de todos os meses (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

A cuidadora de crianças Maria Olívia, 72 anos, diz que toda vez que a conta chega, fica na dúvida se gastou tudo o que é cobrado. “Somos meio leigos para entender, então fica difícil saber. Tem que tomar muito cuidado para não gastar muito”, conta.

Maria cuida de crianças do bairro na casa dela e, atualmente, são apenas três. “Há dois anos eram oito crianças aqui e a conta era de R$ 38, R$ 36. Agora são três e a conta vem R$ 50, R$ 56, R$ 70. Aqui é um bairro simples faz muita diferença”.

5 - Enquanto salário aumentou 26% em 5 anos, reajustes de energia podem somar 54% e consumidores reclamam: “um absurdo”
Cuidadora de crianças, Maria diz ficar na dúvida se gastou o que vem na conta. (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

Reajuste do salário mínimo                                       Reajuste da energia

2022 – 10,0%                                                                    2022 – 16% previsto

2021 - 5,26%                                                                     2021 – 8,9%

2020 - 0,58%                                                                     2020 - 6,9%

2020 - 4,11%

2019 - 4,61%                                                                     2019 - 12,39%

2018 - 1,81%                                                                     2018 - 9,87%

Novo reajuste já está na porta

A primeira reunião para debater o aumento na conta de energia pedido pela Energisa em Mato Grosso do Sul será realizada nesta terça-feira (5), em Brasília. Segundo o Concen-MS (Conselho de Consumidores das Áreas de Concessão da Energisa em MS), o reajuste não deve ser menor que 16%, já que a atualização segue o IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), que teve inflação acumulada nesse patamar. Se aprovado, o aumento deve vigorar a partir de 8 de abril.

Para o Concen, pouco pode ser feito para evitar o reajuste, já que o contrato firmado com a Energisa tem como premissa dos reajustes o acumulado do IGP-M. No mês de março, Rosimeire Costa, presidente do Concen, teve reunião virtual com a assessoria da diretoria da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para tratar do empréstimo setorial que deve mitigar os efeitos do RTA (Reajuste Tarifário Anual) de abril.

Veja também

A convocação tem ocorrido preferencialmente por WhatsApp

Últimas notícias