Motoristas de ambulâncias fazem protesto em Campo Grande: 'queremos ser reconhecidos como profissionais de saúde'

O protesto ocorre simultaneamente em outros Estados do país
| 10/06/2022
- 16:38
protesto dos condutores de ambulâncias (Stephanie Dias) (2)
Motoristas se reuniram no Centro de Campo Grande - (Foto: Stephanie Dias/Midiamax)

Trabalhadores que atuam como motoristas de ambulâncias do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) em Mato Grosso do Sul realizam um protesto nesta sexta-feira (10), em Campo Grande. O grupo está reunido no cruzamento entre a Rua 14 de Julho e Avenida Afonso Pena.

Os manifestantes buscam a regulamentação da categoria a nível federal; reconhecimento como profissionais de saúde; aposentadoria especial e isenção de multas durante ocorrências de socorro.

Segundo a presidente do Sindconam-MS (Sindicato dos Condutores de Ambulância de MS), Poliana Ferro, em 60% dos municípios do Estado, os condutores são obrigados a arcar com multas geradas a partir de atendimentos com a unidade móvel.

Poliana explica que o movimento é nacional e ocorre simultaneamente em dez Estados do país. “Esse protesto ocorre para termos o merecido reconhecimento. Frequentamos 100% dos locais que os profissionais da saúde frequentam, temos contato com os pacientes e estamos expostos da mesma forma”, indagou.

Também presente no local, o diretor do Sindicato Nacional dos Condutores de Ambulância em Dourados, Ezequiel Barbosa, afirma que o protesto busca o reconhecimento do condutor. “A categoria é discriminada pelo poder público e não é reconhecida como profissional da saúde. Os condutores não ganham insalubridade, mas tem que colaborar com todos os na ambulância”.

Claudinei Freitas, de 41 anos, atua como motorista de ambulância no município de Anastácio e comenta as dificuldades impostas pela profissão. “O salário é de R$ 548,23. Para chegarmos no [salário] mínimo, a completa com insalubridade, hora extra e adicional noturno”.

Veja também

Com medo de perder clientes, alguns motoristas devem manter o preço, mas admitem que estão no “limite” com alta nos combustíveis

Últimas notícias