Em bunker de hotel, jogador de MS na Ucrânia aguarda definição da embaixada brasileira

Ismaily, de Angélica, está junto de outros jogadores brasileiros enquanto governo segue sem conseguir ajudá-los
| 25/02/2022
- 13:40
Em bunker de hotel, jogador de MS na Ucrânia aguarda definição da embaixada brasileira
(Foto: Divulgação)

O jogador de futebol sul-mato-grossense Ismaily Gonçalves dos Santos, de 32 anos, do Shaktar Donetsk, da Ucrânia, ainda aguarda uma definição da embaixada brasileira em Kiev para saber como e quando sairá do país, que está sob ataque russo. Ismaily e mais alguns jogares brasileiros aguaram a decisão em um bunker no subsolo do hotel onde se hospedaram.

gettyimages 854260028 - Em bunker de hotel, jogador de MS na Ucrânia aguarda definição da embaixada brasileira"Por enquanto o Ismaily está junto com outros brasileiros num quarto subterrâneo é protegido. Dentro desse quarto não é possível escutar nada, é um lugar blindado. Então eles não saíram de lá pra nada, mas já tem notícias que a cidade começou ser atacada. Por enquanto eles estão bem, na medida do possível, esperando o momento certo junto com a embaixada pra sair em segurança, o que no momento é crítico", disse a sogra de Ismaily, Terezinha Albuquerque, que estava na Ucrânia junto do jogador até o último dia 3 de fevereiro, mas voltou junto da filha quando a tensão entre os dois país começou a escalar.

Desencontro de informações entre embaixada e Planalto

No mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro usou para declarar que a embaixada do Brasil estava aberta para ajudar os brasileiros na Ucrânia, a representação diplomática deu orientações em outra direção. Quem recorria aos canais de contato da embaixada era avisado de que ainda não havia como assegurar uma saída do país em segurança. A mesma informação foi admitida pelo em Brasília.

Alguns brasileiros que pediam auxílio para deixar Kiev o mais rápido possível acabaram ouvindo comentários nada diplomáticos: "se vire", declarou um diplomata a dois brasileiros.

O Itamaraty está cadastrando os brasileiros que estão na Ucrânia e desejam deixar o país. Há cerca de 500 na região. Os que estão no leste da Ucrânia devem deixar o país o quanto antes. Segundo o embaixador Leonardo Gorgulho, o plano não tem data para ser colocado em prática.

Bolsonaro desautorizou, nesta quinta-feira (24), seu vice, Hamilton Mourão, por ter se manifestado sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia. Mais cedo, Mourão disse que o Brasil respeita a soberania da Ucrânia. "Quem fala dessa questão chama-se Jair Messias Bolsonaro. Mais ninguém fala. Quem está falando, está dando peruada naquilo que não lhe compete", criticou pelas redes sociais.

Veja também

Juiz de primeira instância observou que réu assumiu risco ao quebrar a restrição de circulação

Últimas notícias