Caloura da UFMS aos 63 anos, Eron ganha apelido dos veteranos e filho brinca: 'festas da Atlética'

Senhora explica por que escolheu cursar Arquitetura e Urbanismo aos 63 anos de idade e avisa: 'não quero tratamento diferente'
| 08/03/2022
- 16:14
Eron Botelho tem 63 anos e começou sua quarta graduação nesta semana
Eron Botelho tem 63 anos e começou sua quarta graduação nesta semana - (Foto: Arquivo Pessoal)

"Gente, levem minha mãe para as festas da atlética. Ela gosta de bons drinks. Estou orgulhoso, mãe! A caloura mais linda do curso de e urbanismo da , campus Naviraí".

Foi com essa mensagem que o professor Tiago Botelho emocionou seus seguidores nesta segunda-feira (7). A legenda explica a foto de dona Erondina Botelho, sua mãe, exibindo o braço pintado com a sigla da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul no primeiro dia de aula.

"Minha mãe é essa pessoa corajosa. Ela é isso mesmo. Depois de ter feito três faculdades, ela agora foi realizar o sonho de fazer Arquitetura", contou ele ao Jornal Midiamax. Dona Eron, como é conhecida, já possui graduações em Matemática, Pedagogia, Serviço Social, e agora se aventura em uma nova empreitada aos 63 anos de idade.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Tiago Botelho (@tiagorbotelho)

Mãe de quatro filhos, ela recebeu o apoio de todos ao entrar na quarta graduação como portadora de diploma no Campus de Naviraí da UFMS, onde mora em Mato Grosso do Sul há mais de 40 anos. Natural de Minas Gerais, a senhora veio parar em MS depois que o marido passou em um concurso público.

Quanto ao primeiro dia de aula no curso de Arquitetura, a aposentada relata que foi bem recebida, "Eu gostei achei divertido, entrei nas brincadeiras. Diferente das outras [faculdades] que fiz, que não tinham isso", compara, em conversa com o MidiaMAIS.

Por que Arquitetura?

Eron explica que há anos vem se envolvendo com Arquitetura e Urbanismo por ser muito fã e consumidora assídua de programas de reforma. "Eu gosto muito, então eu já venho carregando isso e resolvi fazer", revela. No primeiro dia, o básico: junto com os demais, ela conheceu os professores e os veteranos: "todos se apresentando".

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Tiago Botelho (@tiagorbotelho)

Aviso

Se houve estranheza e curiosidade da geração mais nova, Eron responde: "Eles têm meio que receio porque vão pintar o braço, vão pintar o rosto e chegam meio tímidos. Eu falei 'se estou aqui, estou disposta a seguir o ritmo'. Não quero tratamento diferente pela idade que tenho, claro que há limitações, a gente sente as diferenças, mas nesse primeiro momento não tem que ter. Sou aluna, caloura...", avisa.

A aposentada recebeu o apoio dos quatro filhos, mas conta: "Eles acham que eu sou muito dedicada e determinada nas coisas que eu me proponho a fazer. Então pensam que agora que eu estou aposentada, eu deveria curtir a vida, mas todos incentivam, acham divertido", pontua.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Tiago Botelho (@tiagorbotelho)

Apelido

No segundo dia de aula, nesta terça-feira (8), Dia Internacional da Mulher, Eron recebeu mais pinturas pelo corpo e já ganhou até um novo nome da turma. "Pintaram o braço, costas e colocaram apelido. Ganhei o apelido de Muriel, de um desenho animado [Coragem, o cão covarde] que uma senhora de idade tem um cachorro que se chama Coragem, aí eu perguntei: 'sou coragem ou sou covarde?'", conta, brincando, aos risos.

"Senti os professores muito apaixonados pelo o que eles fazem, por estarem em uma Universidade pública, valorizando esse espaço democrático, da ciência e do conhecimento. Isso me motivou mais ainda", relata ela.

Abaixo, Muriel, Eustácio e Coragem, do desenho animado "Coragem, o Cão Covarde", que deu origem ao apelido que a aposentada ganhou dos colegas.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Clinicadaloucura (@clinicadaloucura)

Quanto à sala de aula e a curiosidade dos demais calouros, dona Eron salienta: "Fica todo mundo tímido também, porque é um espaço novo para eles. Ainda estão meio retraídos, mas com o tempo vão se sentindo pertencentes", diz.

Apesar da coragem para entrar uma sala de aula depois de tanto tempo e encarar de frente uma nova geração bem diferente, ela afirma que vai enfrentar desafios. "Querendo ou não, gera insegurança, tenho a preocupação de não decepcionar a mim e quem acredita em mim", finaliza a caloura de Arquitetura e Urbanismo mais linda, como declarou o filho Tiago.

Inspiração

A vontade e a determinação de Erondina causaram inspiração e orgulho na internet. "Meus parabéns. Ser universitária é sempre um grande aprendizado para a vida. Independe de qualquer opinião contrária. Felicidades", comentou um internauta.

"Inspirador! Meu sonho na adolescência era ser arquiteta. Acabei indo pras Ciências Sociais. Essa semana mesmo estava comentando que quando acabar o doutorado, vou tentar fazer arquitetura. Mesmo que seja "tarde"! Rsrs Essa foto me provou que não. Nunca vai ser tarde para o que se quer de verdade!", disse outra, admirada com dona Eron.

Veja também

Os documentos devem ser entregues presencialmente pelo próprio servidor

Últimas notícias