Cotidiano

‘Tem gente que mora aqui há 80 anos e nunca viu isso’, diz morador de comunidade tomada pela lama

Terça-feira, 16 de fevereiro de 2021, ficou marcado por ser o dia em que a comunidade quilombola de Furnas da Boa Sorte, em Corguinho – a 96 km de Campo Grande, presenciou a pior tempestade da história da região. A força da água foi tão intensa que destruiu pontes, tombou carro e provocou deslizamentos de […]

Gabriel Maymone Publicado em 18/02/2021, às 13h44 - Atualizado em 19/02/2021, às 08h12

Imagens mostram cenário devastador em Corguinho. (Foto: Arquivo pessoal)
Imagens mostram cenário devastador em Corguinho. (Foto: Arquivo pessoal) - Imagens mostram cenário devastador em Corguinho. (Foto: Arquivo pessoal)

Terça-feira, 16 de fevereiro de 2021, ficou marcado por ser o dia em que a comunidade quilombola de Furnas da Boa Sorte, em Corguinho – a 96 km de Campo Grande, presenciou a pior tempestade da história da região. A força da água foi tão intensa que destruiu pontes, tombou carro e provocou deslizamentos de terra, levando um verdadeiro mar de lama ao local em que vivem cerca de 68 famílias.

As imagens feitas no dia da tempestade são fortes e mostram o poder da natureza no local, que impressionou até os mais antigos. “Foi uma coisa, assim, que a gente não esperava. Tem gente que mora aqui há 80 anos e nunca presenciou uma situação dessa”, disse Elivan Ferreira Cândido, que mora em uma fazenda próxima a área em que os quilombolas vivem.

Alguns registros feitos no dia mostram cenas da região tomada pela lama, que invadiu carros e casas nas comunidades. Uma imagem mostra, ainda, um veículo tombado e outras mostram a alteração no relevo, devido aos deslizamentos de morros.

Corguinho
Até veículo tombado foi visto após tempestade em Corguinho. (Foto: Arquivo pessoal)

Elivan lembra o medo que sentiu durante a tempestade. “Teve um deslizamento, desmoronou uma parte da saia da serra, que passou perto de casa. O que deu medo é porque o barulho foi bem esquisito, mas o prejuízo maior foi na [Furnas] Boa Sorte, dos quilombolas, que tiveram alagamentos de casas e carros”, conta.

Destruição em Corguinho

A tempestade rápida e intensa elevou o nível dos córregos que passam pela região das comunidades quilombolas de Corguinho, destruindo pontes, invadindo casas e deixando algumas famílias isoladas na terça-feira (16).

Na quarta-feira (17), a reportagem do Jornal Midiamax foi ao local e conseguiu chegar até certo ponto, devido às condições da estrada vicinal que liga as comunidades.

Corguinho
Lama tomou conta de carro. (Foto: Arquivo pessoal)

No caminho, já é possível perceber todo o caos que a tempestade causou. De longe, já é possível observar no morro as faixas de barro, que correm até as propriedades, demonstrando que houveram deslizamentos de terra pela região. Na estrada, são diversos pontos de atolamento e, ao lado do trajeto, já é possível perceber que a vegetação estava deitada, demonstrando que a água também passou por ali.

Leia a reportagem completa aqui

Corguinho
Reportagem do Jornal Midiamax esteve no local mais afetado pela tempestade em Corguinho. (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)

Prejuízos

Conforme a prefeita, Marcela Lopes (PSDB), os prejuízos passaram de R$ 1 milhão e o jurídico do município estava providenciando um decreto de situação de emergência. Foram seis pontes destruídas e estradas danificadas.

“Há 39 anos que vivo aqui e nunca vi uma situação assim, que desespero. Não houve perda humana, mas os danos são muito grandes”, lamentou a prefeita de Corguinho, Marcela Lopes. Até a manhã desta quinta (18), o decreto de situação de emergência ainda não havia sido publicado em Diário Oficial.

Corguinho
Casa ficou suja com lama (Foto: Arquivo pessoal)
Jornal Midiamax