Cotidiano

Funcionários da Santa Casa decidem cruzar os braços até receber salário

A equipe multiprofissional da Santa Casa, formada por assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, técnicos de laboratórios, técnicos de nutrição, fonoaudiólogos, biomédicos e farmacêuticos decidiram paralisar os serviços até receberem os salários. A decisão foi tomada em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (14), no próprio hospital. Assim, cerca de 100 profissi...

Gabriel Maymone Publicado em 14/01/2021, às 08h42 - Atualizado às 12h12

Profissionais cruzaram os braços na manhã desta quinta-feira, na Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
Profissionais cruzaram os braços na manhã desta quinta-feira, na Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - Profissionais cruzaram os braços na manhã desta quinta-feira, na Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

A equipe multiprofissional da Santa Casa, formada por assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, técnicos de laboratórios, técnicos de nutrição, fonoaudiólogos, biomédicos e farmacêuticos decidiram paralisar os serviços até receberem os salários. A decisão foi tomada em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (14), no próprio hospital.

Assim, cerca de 100 profissionais estão de braços cruzados, no saguão da Santa Casa. Porém, 30% dos funcionários continuam trabalhando para não deixar os pacientes sem assistência.

O presidente do Sintesaúde (Sindicato Intermunicipal Dos Trabalhadores Em Estabelecimentos De Serviços De Saúde De Mato Grosso Do Sul), Osmar Gussi, disse que conversou com o presidente da Santa Casa, Heitor Freire, e foi informado que os salários devem ser depositados ainda nesta quinta-feira (14),

Santa Casa
Assembleia decidiu pela paralisação dos profissionais até salário cair na conta. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Os 400 médicos que atendem no hospital também estão sem receber e decidem na sexta-feira (15) sobre paralisação, segundo o Sinmed (Sindicato dos Médicos). “Os colegas estão bem revoltados, são colegas que normalmente são CLT, tem um vínculo com a instituição. Bem revoltados de estarem com os vencimentos atrasados, são profissionais que geralmente aumentaram sua carga-horária lá na instituição. Está se cogitando manifestação, vai ter uma reunião na quarta-feira às 19 horas. A gente está tentando negociar para uma saída racional”, diz o presidente do Sinmed, Marcelo Santana Silveira.

“A gente vem trabalhar todos os dias, na pandemia, na linha de frente contra o coronavírus e ainda temos que pedir ajuda para amigos e vizinhos para pagar as contas e comprar alimentos. Não temos reconhecimento do trabalho que fazemos na Santa Casa”, disse uma funcionária que preferiu não se identificar.

Ainda conforme a profissional, muitos trabalhadores estão revoltados. “Muitos estão desde setembro de 2018 sem receber FGTS [Fundo de Garantia por Tempo de Serviço] e os que retornaram das férias de dezembro ainda não receberam”, declarou.

Santa Casa
Presidente do Sintesaúde, Osmar Gussi. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Impasse

A assessoria de imprensa da Santa Casa informou que ainda não recebeu repasse da prefeitura, que será utilizado para pagar os funcionários. Falta pagar salário de cerca de 5% dos trabalhadores do hospital.

Por outro lado, a prefeitura de Campo Grande informou que já repassou R$ 12 milhões ao hospital e que não há repasses em atraso. “Cabe esclarecer que o pagamento ao hospital vem sendo feito de forma regular, inclusive com repasses pontuais tidos como “extras” que ultrapassaram R$ 45 milhões em 2020, além do aporte para atendimento Covid19″, informou em nota.

Mensalmente o hospital recebe aproximadamente R$ 24,1 milhões, sendo R$ 15,2 milhões do Governo Federal, R$ 5 milhões do município e R$3,8 milhões do Estado.

Histórico de atrasos

Em novembro do ano passado, médicos denunciaram atraso de quatro meses de salário no hospital. Os médicos então anunciaram greve e com isso, logo depois, o hospital recebeu um repasse de R$ 11 milhões do Estado para quitar os salários atrasados.

Ainda em dezembro do ano passado, no dia 22, demais funcionários também ameaçaram cruzar os braços devido ao atrasado do 13º salário. 24 horas depois o hospital anunciou o pagamento da folha salarial.

*Atualizada às 9h27 para acréscimo de informações

Jornal Midiamax