Cotidiano

Campo Grande tem 65 mil moradores que desistiram de tomar a vacina contra covid

Jovens adultos de 18 a 29 anos são maioria dos imunizados na Capital

Mylena Rocha Publicado em 19/10/2021, às 15h00

Pessoas se cadastraram para receber a vacina, mas não compareceram.
Pessoas se cadastraram para receber a vacina, mas não compareceram. - Henrique Arakaki/Midiamax

A campanha de imunização contra o coronavírus continua avançando e 63% da população já está completamente imunizada em Campo Grande. Contudo, ainda há muitas pessoas que nem compareceram para tomar a 1ª dose da vacina contra a covid. Dados da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) apontam que 65 mil pessoas se cadastraram para tomar a vacina e acabaram desistindo. 

Em Campo Grande, 71,69% da população já tomou pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus. Apesar de ter a maioria da população vacinada, Campo Grande ainda não atingiu a meta do Ministério da Saúde, que é de 90% das pessoas completamente imunizadas. 

A Sesau reforça que a vacinação não é obrigatória, mas as equipes de saúde não medem esforços para avançar na campanha contra a covid-19. Para vacinar mais pessoas, a Prefeitura tem realizado plantões constantes aos finais de semana e pontos volantes de vacinação. “Onde mais de sete mil pessoas receberam alguma dose da vacina, seja ela a primeira, segunda ou o reforço”, ressalta. 

Entretanto, a quantidade de pessoas que acabaram desistindo de se vacinar ainda é grande. Segundo a Prefeitura de Campo Grande, 760.042 pessoas realizaram o cadastro prévio para a vacinação, mas aproximadamente 8,6% deste total ainda não recebeu nenhuma dose da vacina. 

O número representa 65.363 pessoas que tinham a intenção de tomar a vacina e até fizeram o cadastro, mas não apareceram para tomar a dose. “Seja porque não conseguiram ir até um ponto de imunização, ou porque desistiram de tomar o imunizante”, aponta a Sesau. 

[Colocar ALT]
Jovens de 18 a 29 anos são maioria entre imunizados. (Foto: Divulgação/PMCG)

Jovens adultos são maioria entre vacinados

Com tantas pessoas que desistiram de tomar a vacina, ainda não é possível definir quem tem recusado a vacina em Campo Grande. Isto acontece porque não há dados estratificados sobre o percentual de vacinados em cada faixa etária. 

Dados da Sala de Gestão da Sesau, porém, trazem informações sobre a quantidade de pessoas vacinadas. Em Campo Grande, os jovens adultos são maioria entre os vacinados. Ao todo, 141.132 pessoas de 18 a 29 anos tomaram ao menos a 1ª dose. Neste público, 96.595 tomaram a 2ª dose e têm o ciclo vacinal completo. 

Em seguida, está o grupo de pessoas de 30 a 39 anos: 120.811 tomaram a D1 e 95.605 estão imunizados. Entre as pessoas de 40 e 49 anos, 99.503 tomaram a 1ª dose e 87.576 completaram o ciclo vacinal. Entre pessoas de 50 a 59 anos, 99.444 tomaram a D1 e 93.265 tomaram a D2. Em seguida, estão os grupos de 60 a 69 anos (70,8 mil imunizados), 12 a 17 anos (27,7 mil imunizados), 70 a 79 anos (37,1 mil imunizados), 80 a 89 anos (15,1 mil imunizados) e maiores de 90 anos (3,1 mil imunizados).

MS perdeu liderança nacional e vacinas sobram nos estoques

Depois de meses na liderança da campanha de imunização contra covid, Mato Grosso do Sul perdeu para São Paulo o posto de estado mais avançado na imunização contra covid no País. Ao Jornal Midiamax, o titular da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Geraldo Resende, atribuiu a desaceleração na vacinação de MS aos negacionistas — como ficaram conhecidos os grupos que ignoram evidências científicas, tais como a eficácia de vacinas.

"Chegamos num momento que restam ser vacinados em MS aquelas pessoas que não tomaram a vacina pelo componente político. São aqueles que seguem orientações dos negacionistas, que seguem orientações políticas e ideológicas", pontuou Resende à reportagem.

Após a desaceleração no ritmo da campanha, os municípios começaram a ficar com os estoques cheios de doses do imunizante. A resposta mais óbvia está na resistência de parte da população. Prefeitos e gestores da saúde veem dificuldade em convencer essas pessoas a se vacinar. 

Jornal Midiamax