O uso de corticoides no tratamento de pacientes com Covid tem sido objeto de polêmica em nos últimos dias. Isso porque a SIMS (Sociedade Brasileira de Infectologia de Mato Grosso do Sul) enviou um ofício ao CRM-MS (Conselho Regional de Medicina), solicitando que a instituição investigue, fiscalize e oriente os médicos do Estado em relação ao uso exagerado de corticoides nesse tipo de tratamento.

Para os principais hospitais que tratam pacientes com Covid em Campo Grande, porém, a solicitação não é necessária, já que cumprem o protocolo. 

Uma das principais referências no tratamento contra a Covid no Estado, o Hospital Regional informou que possui o Protocolo de Atendimento a Paciente Covid instituído desde o início da pandemia, que este foi revisto no decorrer do enfrentamento e que, inclusive, está para ser divulgada uma nova versão.

Porém, a instituição lembra que o Conselho Federal de Medicina (CFM), já declarou e defende que o médico tenha autonomia no tratamento, ou seja, o protocolo não é uma exigência, mas um guia norteador para os profissionais.

“Respeitamos o direito médico de definir junto com o seu paciente o tratamento a ser seguido. Caso o paciente sinta-se lesado, ele deve denunciar o seu médico no conselho; durante toda a pandemia nenhum médico do nosso corpo clínico foi denunciado ao CRM, isso confirma que nossos protocolos são eficazes. Vale lembrar que no início da pandemia nossos protocolos serviram de base e foram copiados por outros hospitais daqui do MS, e por hospitais públicos e privados Brasil afora”, diz diretor técnico assistencial, o médico Paulo Limberger

Já segundo a Santa Casa de Campo Grande, desde o início da pandemia, a instituição possui o Centro de Controle de Infecção Hospitalar. “Todas as condutas do uso de corticoides em pacientes com Covid-19 atendem aos padrões de exigência da Sociedade Brasileira de Infectologia de Mato Grosso do Sul”, afirma em nota.

O hospital também afirma que até o momento não identificou abuso no uso de corticoides por parte de sua equipe médica.

A Unimed Campo Grande, também polo de tratamento, diz que tomou atitude semelhante, com a implantação do Comitê de Gerenciamento de Crise, foi designado a uma comissão de médicos infectologistas e pneumologistas, todos membros da Sociedade Brasileira de Infectologia de Mato Grosso do Sul.

“Desta forma, ressaltamos que a conduta adotada em nosso hospital para a ministração de corticoides aos pacientes atende aos padrões de exigência da SIMS”. 

Também particular, o hospital da Cassems, informou que o uso de corticoides segue o protocolo da SIMS, e cita especificamente casos graves.

“Ressaltamos que medicamentos corticoides são utilizados apenas para os casos de maior gravidade e que necessitam de suporte de oxigênio, nas doses preconizadas pela Sociedade Brasileira de Infectologia”, disse em nota.