Cotidiano

Prefeitura pode adotar toque de recolher em Campo Grande a partir da próxima semana

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) afirmou neste sábado (21) que, caso a população não se conscientize sobre a necessidade de quarentena para conter o coronavírus neste sábado e domingo (22), o município pode decretar, já no início da próxima semana, o toque de recolher. Atualmente, 4 municípios do interior de MS já adotaram ou anunciaram […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 21/03/2020, às 12h01 - Atualizado às 17h08

Conveniência no Santa Emília (Via WhatsApp)
Conveniência no Santa Emília (Via WhatsApp) - Conveniência no Santa Emília (Via WhatsApp)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) afirmou neste sábado (21) que, caso a população não se conscientize sobre a necessidade de quarentena para conter o coronavírus neste sábado e domingo (22), o município pode decretar, já no início da próxima semana, o toque de recolher.

Atualmente, 4 municípios do interior de MS já adotaram ou anunciaram que iam adotar a medida para que a população não saia às ruas. Para o prefeito de Campo Grande, as pessoas não sabem dimensionar a gravidade do Covid-19, causado pelo novo coronavírus.

“Estamos tomando medidas há mais de dez dias e, mesmo assim, estamos verificando que as pessoas estão desobedecendo e ignorando, por isso o toque de recolher está sendo avaliado. Se nas próximas 48h continuar assim, vamos decretar a medida”, afirmou Marquinhos ao Jornal Midiamax.

Na última sexta-feira (20), movimentação em bares e lojas de conveniências, inclusive com aglomerações, foram registradas – inclusive uma festa, cuja realização também está proibida – foi filmada por leitores. O Jornal Midiamax também constatou, no início da semana, que as recomendações de autoquarentena estavam sendo ignoradas, sobretudo na região da periferia.

Como denunciar?

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Luís Eduardo Costa, foi criado um comitê de fiscalização para que o decreto decreto n.º. 14.199, publicado pelo prefeito Marquinhos Trad no Diário Oficial do Município, seja cumprido.

“Essas intervenções estão sendo feitas pelas equipes e são uma questão da segurança de saúde pública. As empresas precisam entender a importância do momento em que estamos agora e que o risco de contágio é para o próprio empresário também”, destacou.

Ao Jornal Midiamax, o secretário ainda destacou a importância da denúncia nesse momento. “Todos os estabelecimentos que estiverem funcionando com mais de 20 pessoas dentro, que não estejam cumprindo o decreto e desrespeito as recomendações devem ser denunciados. Nós faremos a fiscalização e o responsável por inclusive perder o alvará”, disse.

A denúncia deve ser feita diretamente na Vigilância através do telefone (67) 3314-9955. ou no Procon Municipal através do (67) 98469-1001.  A fiscalização é feita por equipes da Semadur, Vigilância Sanitária, Sefin (Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento) e apoio da GCM (Guarda Civil Metropolitana).

Jornal Midiamax