A taxa de isolamento social em Mato Grosso do Sul caiu na quarta-feira (29) e, com isso, o Estado avançou para a quinta posição entre os piores do país na tática de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19). Campo Grande, por sua vez, manteve a terceira pior posição entre as capitais.

Conforme dados da consultoria In Loco, medidos a partir da movimentação do sinal de telefones celulares, a taxa de isolamento social de Mato Grosso do Sul na quarta-feira foi de 37,44%, frente os 37,55% do dia anterior, suficiente para que o Estado saísse da sexta para a quinta pior posição do Brasil.

Tocantins (35,45%), Goiás (36,19%), Espírito Santo (36,9%) e Minas Gerais (36,97%) foram os Estados com percentuais piores que Mato Grosso do Sul, abaixo também da média nacional, de 38,9% –0,01 ponto percentual abaixo da de terça-feira (28).

Campo Grande também piorou seu percentual, caindo de 36,81% para 36,38%. Contudo, continuou com a terceira pior marca nacional, acima apenas de Palmas (TO, 34,74%) e Goiânia (GO, 35,92%).

O isolamento social é defendido como meio de evitar a propagação do coronavírus porque, sem vacina ou medicamento com eficácia 100% comprovada, reduzir o contato entre as pessoas também auxilia reduzir a circulação do micro-organismo. Contudo, para funcionar, as autoridades de Saúde recomendam taxas de isolamento superiores a 70% (ou de, pelo menos, 50%).

Em Mato Grosso do Sul, seis municípios conseguiram manter pelo menos metade da população em casa na quarta-feira: Tacuru (isolamento de 61,1%), Aral Moreira (58,8%), Japorã (57,1%), Taquarussu (56,3%), Novo Horizonte do Sul (52,9%) e Juti (51,6%).

Já as piores taxas de isolamento vieram de Douradina (31%), Rio Verde de Mato Grosso (31,3%), Antônio João (32,8%), Batayporã (33,7%), Anaurilândia (33,8%) e Cassilândia (33,9%). O percentual de Campo Grande foi o 15º mais baixo entre as cidades sul-mato-grossenses.

Nesta quinta-feira, boletim da Secretaria de Estado de Saúde apontou que Mato Grosso do Sul atingiu 24.287 casos positivos de coronavírus, com pelo menos 357 mortes.