Cotidiano

Casos de Covid-19 em Dourados já são 154% maiores que em Campo Grande

Os 42 novos casos de Covid-19 registrado em Dourados somente nesta segunda-feira (8) colocam o município com 154% casos de coronavírus a mais que na Capital: o boletim da SES (Secretaria de Estado de Saúde) trouxe um total de 613 confirmações na cidade – que representa 26,38% dos registros oficiais – contra 398 em Campo […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 08/06/2020, às 13h14 - Atualizado às 14h33

(Foto: Franz Mendes | Reprodução)
(Foto: Franz Mendes | Reprodução) - (Foto: Franz Mendes | Reprodução)

Os 42 novos casos de Covid-19 registrado em Dourados somente nesta segunda-feira (8) colocam o município com 154% casos de coronavírus a mais que na Capital: o boletim da SES (Secretaria de Estado de Saúde) trouxe um total de 613 confirmações na cidade – que representa 26,38% dos registros oficiais – contra 398 em Campo Grande (17,13%).

A situação, porém, é mais grave do que mostram estes números. Isso porque as internações de Covid-19 das 33 cidades da macrorregião ocorrem em Dourados, onde há, até o momento, 33 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na rede pública – 51 considerando a rede particular.

Conforme o boletim, Dourados tem 16 internações de residentes da cidade pelo SUS, sendo 13 em leitos clínicos e 3 em UTI. Outras 15 (6 em leitos clínicos e 9 em UTI) estão na rede privada. Entre os 10 municípios do Estado com os maiores números de casos, 5 são da região de Dourados e juntos respondem por 1.012 pacientes, o que representa 37,55% das confirmações. São eles: Dourados, Fátima do Sul, Rio Brilhante, Douradina e Itaporã.

Ou seja: por mais que a taxa de ocupação das UTI ainda seja baixa (9%), quando somados os casos da cidade para qual Dourados é referência, a preocupação será basicamente pelo que está por vir, já que o número de leitos será insuficiente e indicam que o sistema de saúde da macrorregião será a primeira a colapsar em MS.

“31 das 50 pessoas internadas com Covid-19 estão na macrorregião de Dourados, mais de 60% das internações hospitalares estão lá, mais precisamente em Dourados. Até o presente momento temos 33 leitos habilitados e mais 10 em habilitação, no Hospital da Vida. Esses 43 leitos ainda são um quantitativo muito pequenos se tivermos esse crescimento exponencial em Dourados”, pontuou Geraldo Resende, titular da SES.

No domingo (7), Resende pontuou que espera da região de Dourados o mesmo controle ocorrido na região sudoeste, onde cidades como Guia Lopes da Laguna, Jardim e Bonito despontaram em número de casos e altíssima taxa de incidência. A região, porém, apresenta queda na transmissão da Covid-19 e indica que por lá a situação está controlada.

“Queremos acreditar que vamos ter condições de cessar esse surto e fazer uma contenção como conseguimos em Guia Lopes da Laguna, Jardim e Bonito, onde a Secretaria de Estado de Saúde teve uma vitória com participação dos prefeitos e de todas as equipes de Saúde da região”, afirmou.

Na última semana, a infectologista Mariana Croda pontuou que outro problema em Dourados é que as infecções na região já são comunitárias, diferentemente do surto que ocorreu nos frigoríficos de Dourados e que fez a pandemia avançar pelo interior de MS.

“Houve surto, inclusive nos frigoríficos, mas hoje já vemos uma alta transmissibilidade na comunidade, e não só em relação aos surtos. A análise de casos a cada 100 mil habitantes também mostra que houve um crescimento muito rápido – inicialmente de 4 a cada 100 mil, mas agora de 66 para cada 100 mil. De fato, estamos fazendo muitos diagnósticos, mas a taxa tem crescido vertiginosamente, principalmente nos últimos 15 dias. Precisamos agir para fazer o achatamento dessa curva crescente e descer ao máximo que pudermos”, pontuou a infectologista no último dia 4 de junho.

Jornal Midiamax