Cotidiano

“Ou faz do jeito que está ou não faz mais nada”, diz Marquinhos sobre Bandeirantes

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) informou que é remota a possibilidade de alterar o projeto de revitalização da Avenida Bandeirantes, em Campo Grande, retirando a construção do corredor exclusivo de ônibus e as sete estações de pré-embarque, como têm exigido comerciantes da região. Ele irá a Brasília (DF) na tentativa de explicar a situação ao Ministro […]

Danúbia Burema Publicado em 20/04/2019, às 12h43 - Atualizado em 21/04/2019, às 10h07

Procuradores do município emitiram parecer de que não há como alterar projeto, aprovado em 2013 com recursos para mobilidade urbana. Foto. Marcos Ermínio.
Procuradores do município emitiram parecer de que não há como alterar projeto, aprovado em 2013 com recursos para mobilidade urbana. Foto. Marcos Ermínio. - Procuradores do município emitiram parecer de que não há como alterar projeto, aprovado em 2013 com recursos para mobilidade urbana. Foto. Marcos Ermínio.
“Ou faz do jeito que está ou não faz mais nada”, diz Marquinhos sobre Bandeirantes
Prefeito falou sobre a obra no CCZ, na manhã deste sábado (20).

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) informou que é remota a possibilidade de alterar o projeto de revitalização da Avenida Bandeirantes, em Campo Grande, retirando a construção do corredor exclusivo de ônibus e as sete estações de pré-embarque, como têm exigido comerciantes da região.

Ele irá a Brasília (DF) na tentativa de explicar a situação ao Ministro do Desenvolvimento, Gustavo Canuto, para ver se há possibilidade de modificar o projeto. Mas, adiantou que os procuradores jurídicos do município já emitiram parecer de que não há como fazer a mudança. Caso não seja possível, o prefeito irá falar novamente com os comerciantes.

“Vamos ter duas alternativas: ou faz do jeito que está e depois a gente tenta reordenar a malha viária ou não faz mais nada na Bandeirantes”, afirmou, durante visita à feira de adoção do CCZ (Centro de Controle de Zoonose), na manhã deste sábado (20).

Marquinhos lembrou que o projeto foi aprovado fora de sua gestão, em 2013. Na época, o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) 2 destinou recurso a projetos de mobilidade urbana pelo Programa Pró-Transportes. Segundo o prefeito, os valores foram disponibilizados justamente para corredores de ônibus em locais de muito tráfego, onde a malha viária estava sendo prejudicada.

O projeto da Bandeirantes foi então inscrito e aprovado junto ao Ministério de Desenvolvimento. “Essa discussão dos comerciantes tinha que ter sido em 2013”, frisou.

Recapeamento

O pedido de comerciantes da Bandeirantes é que seja feito somente o recapeamento da via. Conforme o prefeito, além da impossibilidade de dissociar a obra do projeto aprovado, somente recapear não irá resolver os problemas da via, que deverão aparecer novamente em pouco tempo.

Isso porque a malha viária está sendo prejudicada pelo grande fluxo decorrente do transporte coletivo, que chega a quase 200 mil pessoas por dia, explicou o prefeito. Com a adequação, além do reforço viário a velocidade com os corredores de ônibus será 60% a mais, o que a prefeitura espera que agilize o transporte público.

“Eu vou tentar mudar uma situação que não atrapalhe a cidade não prejudique a população e que não desagrade aos Comerciantes. Eu vou tentar ver uma maneira, se eu não conseguir ou se devolve o dinheiro e não faz mais nada ali, ou pensa na cidade continua com as obras”, enfatizou Marquinhos.

Além do recapeamento, a obra na Bandeirantes inclui drenagem, sinalização (placas, semáforos e faixas), sete estações de pré-embarque e corredor do transporte coletivo. O prazo para término é de um ano. O investimento total é de R$ 8,7 milhões, sendo R$ 6,4 milhões por meio de financiamento do PAC Mobilidade e R$ 2.2 milhões de contrapartida viabilizada por meio da parceria da prefeitura com o Governo do Estado.

Jornal Midiamax