Cotidiano

Após corte de R$ 29,7 milhões, UFMS garante honrar auxílios e bolsas

Mesmo diante do corte de R$ 29,7 milhões previstos para o orçamento anual, a direção da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) garantiu, nesta sexta-feira (3), que vai honrar o pagamento de 100% das bolsas e auxílios a estudantes assistidos pelo PNAE (Plano Nacional de Assistência Estudantil). O recurso é destinado à permanência […]

Maisse Cunha Publicado em 03/05/2019, às 20h20

Corte não deve afetar restaurante universitário, informa UFMS (Foto: Cleber Gellio/Arquivo Midiamax)
Corte não deve afetar restaurante universitário, informa UFMS (Foto: Cleber Gellio/Arquivo Midiamax) - Corte não deve afetar restaurante universitário, informa UFMS (Foto: Cleber Gellio/Arquivo Midiamax)

Mesmo diante do corte de R$ 29,7 milhões previstos para o orçamento anual, a direção da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) garantiu, nesta sexta-feira (3), que vai honrar o pagamento de 100% das bolsas e auxílios a estudantes assistidos pelo PNAE (Plano Nacional de Assistência Estudantil).

O recurso é destinado à permanência de alunos em situação de vulnerabilidade regularmente matriculados nos cursos de graduação. Além das bolsas, a instituição declarou que o funcionamento do RU (Restaurante Universitário) também está garantido.

A decisão da reitoria beneficia alunos bolsistas de iniciação científica, extensão e monitoria, bem como pesquisas de campo e aulas práticas. O edital do programa Pró-Estágio também deve ser publicado na semana que vem, informou.

Auxílios individuais para capacitação em eventos concedidos a estudantes, técnicos e docentes, no entanto, seguem suspensos. A universidade ainda avalia formas de manter as demais atividades.

“É imperativo reafirmar nossos valores em defesa do ensino público, gratuito, laico, de qualidade e plural, garantida a autonomia didático-científica, em um clima de liberdade intelectual e respeito à diversidade”, declarou em nota o reitor, Marcelo Turine.

Após o corte, anunciado pelo MEC (Ministério da Educação) na terça-feira (30), a universidade informou que “enfrentará sérias dificuldades de honrar seus contratos de manutenção, como pagamentos de energia elétrica, água, telefone, segurança, manutenção e conservação predial”.

Contingenciamento prejudicará, sustenta, atividades de ensino de graduação e pós-graduação, pesquisa e extensão, que dependem das verbas para a melhoria da infraestrutura de salas de aulas e laboratórios, bem como para a aquisição de equipamentos e materiais.

Jornal Midiamax