MPT faz acordo com supermercado para impedir restrições à liberdade sindical

O MPT-MS formalizou TAC (Termo de Ajuste de Conduta) com um supermercado para pôr fim a restrições à liberdade sindical. O estabelecimento da cidade de Nova Andradina fez uma ressalva na rescisão contratual de um empregado e pedia que todos os candidatos se desfiliassem do sindicato.
| 29/05/2018
- 17:42
MPT faz acordo com supermercado para impedir restrições à liberdade sindical

O (Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul) formalizou TAC (Termo de Ajuste de Conduta) com um supermercado para pôr fim a restrições à liberdade sindical. O estabelecimento da cidade de Nova Andradina, a 297 km de Campo Grande, fez uma ressalva na rescisão contratual de um empregado e pedia que todos os candidatos se desfiliassem do sindicato.

A denúncia foi registrada em julho do ano passado ao MPT, que instaurou um inquérito civil, coletou depoimentos formalizou o TAC. Pelo acordo, o supermercado fica impedido de praticar qualquer ato que restrinja a liberdade sindical, como incentivar ou obrigar que os empregados deixem de se filiar ou se desliguem de um sindicato. Além disso, o mercado não pode discriminar uma pessoa por ser filiada a uma entidade sindical ou despedir um funcionário por tal motivo.

O Termo de Ajuste de Conduta ainda tem uma cláusula que trata da impossibilidade de exigir ou solicitar a devolução de multa rescisória ou de qualquer outro valor em que o desconto não seja autorizado pela legislação. O supermercado se comprometeu a contribuir com R$ 10 mil para a reforma da Delegacia de Atendimento à Mulher de Nova Andradina e financiar campanhas de fomento à liberdade sindical.

Entenda o caso

O mercado do município de Nova Andradina fez uma ressalva na rescisão contratual de um empregado quanto ao aviso prévio, o que levou a uma lista elaborada pelo dono do estabelecimento para que todos os funcionários optassem pela desfiliação. Com o fato, cerca de 80 empregados foram até a sede do Sindicato dos Empregados no Comércio de Nova Andradina e Região para pedir o desligamento.

O procurador do MPT, Jeferson Pereira, reconhece a interferência da empresa na decisão dos funcionários. “Muitos empregados disseram não ter a intenção de se desfiliar da entidade sindical, mas que fizeram aquilo por medo de represálias da direção do mercado”, afirma.

Veja também

Juiz de primeira instância observou que réu assumiu risco ao quebrar a restrição de circulação

Últimas notícias