Prédio da prefeitura abandonado é ‘hotel de luxo’ para mosquito da dengue

Água parada, pneus e lixos ‘chamam’ o Aedes aegypti
| 11/01/2016
- 22:53
Prédio da prefeitura abandonado é ‘hotel de luxo’ para mosquito da dengue

Água parada, pneus e lixos ‘chamam’ o

Lá tem tudo o que eles gostam: água parada de diversas modalidades, pneus velhos, lixos, matagais. É mais que propício, é praticamente um chamado para criadouros. Depois de dias de chuva, o prédio abandonado há mais de vinte anos na Ernesto Geisel é “hotel de luxo” para o mosquito da , o Aedes aegypti, que também transmite a chikungunya e o vírus .

O Midiamax foi até o local nesta segunda-feira (11) e se deparou com abandono, sujeira e muitos focos de infestação do mosquito. Dá para escolher: água parada na grama, no cimento, em lugar alto, em lugar baixo. Pneus, telhas, calhas e lixos se juntam a poças e mais poças e muito lodo. Tudo que o Aedes gosta.

Quem mora por perto sofre. Juraci Pereira, 75, mora na região há cinco anos e se revolta diariamente com o descaso do prédio abandonado. “Coisa grande parada sem finalidade nenhuma, só juntando mosquito e trazendo doença. E ninguém faz nada”.

Isabel Malaquias, de 55 anos, se mudou para a Ernesto Geisel quando, em tese, a rodoviária seria construída no prédio. De lá para cá a construção abandonada fez com que ela quisesse se mudar, mas quem disse que é fácil vender casa por ali? “Antes dessa epidemia de dengue já não queriam, imagina agora. Há dez anos tento vender a casa e não consigo”, conta.

‘Monitorado’

Em dezembro do ano passado, quando os casos de dengue atingiram números preocupantes, a Prefeitura de Campo Grande desenvolveu parcerias e ações para combater o mosquito, inclusive notificando e multando proprietários de terrenos abandonados. Mas e quando a propriedade é da Prefeitura? Via assessoria, a administração municipal declarou apenas que o local está sendo monitorado pela Coordenadoria de Controle de Vetores e Endemias.

Números

De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) nos sete primeiros dias deste ano, foram notificados 174 casos de suspeitas de dengue, o que representa média de 25 internações diárias em Campo Grande. Também foram registradas duas notificações de casos de chikungunya e oito do vírus Zika. Em 2015, das 13.625 casos de suspeita de dengue, 4.013 foram confirmados. Três resultaram em morte.

Veja também

Ao todo, 252 equipes vão participar do Festival Internacional de Pesca Esportiva de Corumbá, que...

Últimas notícias