se reúnem em assembleia nesta tarde

Indicativo que deve ser enviado à ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) na tarde desta quinta-feira (20) pela Prefeitura Municipal, pede que os professores façam uma petição em conjunto com a Procuradoria-geral do Município para que a Justiça acelere o julgamento da da categoria. De acordo com o presidente do sindicato, Geraldo Alves Gonçalves, a categoria votará a questão na tarde de hoje, em assembleia. No entanto, o documento ainda não foi formalizado oficialmente pela Prefeitura.

“É um arranjo que eles querem fazer para que haja julgamento logo”, contou. A decisão esbarra na Justiça pelo fato de até o momento não ter tido acordo entre a categoria e o Executivo municipal. Segundo Geraldo, desde maio, quando a greve foi deflagrada, os professores se reuniram por 20 vezes com representantes municipais. Mas as negociações não avançaram.

A Prefeitura alega que não tem condições financeiras para aplicar o índice de 13,01% nos salários dos professores. O motivo da impossibilidade seria o limite prudencial estipulado pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) à administração pública. A categoria pede que a Prefeitura da Capital cumpra a Lei 5.411, que elevaria o salário de R$ 1.679 para R$ 1.917 por 20/horas.