Prefeitura cede gratificações e metade dos médicos volta a atender a população

Médicos pedem reajuste salarial acima da inflação
| 11/05/2015
- 17:57
Prefeitura cede gratificações e metade dos médicos volta a atender a população

Médicos pedem reajuste salarial acima da inflação

Depois de reunião na última sexta-feira (8), quando a Prefeitura cedeu e devolveu as gratificações aos médicos, 50% da categoria voltou a atender a população, mas ainda só em casos de emergência e urgência, nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e CRS (Centro Regional de Saúde), nesta segunda-feira (11).

De acordo com a assessoria de imprensa do Sinmed (Sindicato dos Médicos do Estado de Mato Grosso do Sul), o acordo foi feito através do Ministério Público e agora a categoria deve voltar a negociar com a Prefeitura o reajuste salarial, com pedido em índices maiores que a inflação.

Com um efetivo de 1,4 mil médicos, apenas 420 profissionais estavam atendendo a população quando na última quarta-feira (6), foi deflagrada a greve pelos médicos. Ainda de acordo com a categoria os salários dos profissionais em 50% são compostos pelas gratificações e plantões. O salário-base de um médico é de R$ 2.580, com as gratificações, este profissional chega a receber R$ 4.128.

Uma assembleia será feita na noite desta segunda-feira (11), na sede do sindicato para que novas diretrizes e encaminhamentos sejam feitos na Prefeitura da Capital, é o que informa a assessoria de comunicação da categoria.

Greve

Na última quarta-feira (6) médicos da rede municipal de saúde entraram em greve, após corte feito pela Prefeitura de Campo Grande, nas gratificações e o reajuste salarial zero. Com o intuito de barrar a greve dos médicos foi para a Prefeitura entrou com uma ação judicial na última segunda-feira (4), sem sucesso. Apenas 30% do efetivo estavam atendendo a população em casos de emergência e urgência, já casos de pacientes com classificação azul, que não se encaixa nas emergências o atendimento estaria em torno de 5 horas de espera.

Veja também

Edital prevê melhorias mínimas em todos os aeroportos durante os 30 anos de concessão

Últimas notícias