Cotidiano

Número de turistas estrangeiros quase dobrou no Estado em 2015

Em contrapartida, vendas no agenciamento turístico caem 80,2% no país

Kemila Pellin Publicado em 08/07/2015, às 17h06

None
mergulho_-_agencia_sucuri.jpg

Em contrapartida, vendas no agenciamento turístico caem 80,2% no país

Mato Grosso do Sul recebeu no ano passado, 62 mil turistas estrangeiros. Valor que coloca o Estado no ranking com o segundo maior crescimento proporcional em relação a 2013, passando de 41,5 mil para 61.999 mil, o seja, um aumento de 49,3%, de acordo com o Anuário Estatístico 2015.

A maior parte dos estrangeiros que vieram para o MS em 2014 é da América do Sul (58.000), motivados especialmente pela Copa do Mundo. O número é 50% maior que o registrado em 2013. O Paraguai foi o principal destino emissor, com 23.304 turistas – crescimento de 192% em relação a 2013.

A pesquisa aponta ainda um crescimento de 10,6% na quantidade de turistas estrangeiros que visitaram o Brasil, na comparação com 2013. Ao todo, foram 6,4 milhões de chegadas em 2014, contra 5,8 milhões no ano anterior. Nos últimos 20 anos, o aumento é de 222%.

O principal país emissor de turistas para o Brasil continua a ser a Argentina (1,7 milhão), seguida pelos Estados Unidos (656 mil).

Crise em 2015

Ao contrário do ano anterior, 2015 já registra um diminuição nas vendas de agenciamentos turísticos do país, que já atinge 82,1% das agências pesquisadas, conforme dados do Instituto de Pesquisas, Estudos e Capacitação em Turismo (Ipeturis) para o Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo (Sindetur-SP) com o objetivo de avaliar as expectativas do setor durante a Temporada de Inverno.

Entre as empresas que indicaram influência negativa na movimentação, a queda superior a 20% foi apontada tanto nas vendas para pessoas físicas (71,6% das empresas consultadas), quanto nas vendas para público corporativo privado (45,1% das empresas). Por sua vez, o setor público apontou menor redução nas vendas, com 59,4% das empresas consultadas indicando uma queda de até 10%.

Jornal Midiamax