As buscas pelo helicóptero com quatro pessoas que desapareceu no último domingo, 31, véspera de , após decolar de com destino a Ilhabela, no litoral norte do Estado, foram retomadas nesta quarta-feira, 3, pela Força Aérea Brasileira (FAB). É o terceiro dia que equipes especializadas procuram pela aeronave, agora com foco em área de mata na região da Serra do Mar.

Parentes de duas das desaparecidas, Luciana Rodzewics, de 46 anos, e sua filha, Letícia Rodzewics Sakumoto, de 20 anos, relatam angústia diante da situação, mas se mostram otimistas com o avanço das buscas. Além delas, estavam na aeronave o piloto (identificado como Cassiano Teodoro) e um amigo da família (Rafael Torres).

“A gente tem bastante fé. Hoje nós estamos com um pensamento bem positivo que teremos a finalização dessa busca, que os quatro tripulantes vão voltar com vida. Foi o primeiro dia que consegui dormir”, disse ao Estadão a vendedora Silvia Santos, de 43 anos. Moradora do bairro do Limão, na zona norte, ela é irmã de Luciana e tia de Letícia.

Um grupo de 12 pessoas, entre parentes e amigos das duas desaparecidas, aguarda atualizações diretamente do Aeroporto do Campo de Marte, localizado na zona norte da capital, de onde o helicóptero partiu antes de sumir no último domingo. “Se a gente vai embora, fica mais difícil de acompanhar. Então ficamos aqui para eles verem que a gente está preocupado”, disse Silvia.

Por lá, estão também a mãe de Luciana e o namorado de Letícia, para quem a jovem mandou as últimas mensagens antes de o helicóptero desaparecer. “Tempo ruim”, “não dá para passar” e “medo” foram algumas das atualizações da jovem sobre a viagem. Antes de deixar de responder, ela também mandou um vídeo da neblina na região e relatou ainda que a aeronave iria voltar para a capital paulista, por conta da dificuldade de chegar até Ilhabela.

Quando o helicóptero desapareceu?

O helicóptero, de prefixo PR-HDB e modelo Robson 44 (de cores cinza e preto), decolou às 13h15 no Aeroporto Campo de Marte. O último contato oficial com a aeronave ocorreu às 15h10, segundo informações da .

A corporação afirmou que foi gerado um alerta, por volta das 22h40 de domingo, para o Comando de Aviação e para o para uma possível queda de helicóptero. Até o momento, porém, não há informações sobre o paradeiro da aeronave.

A aeronave chegou a fazer um pouso de emergência?

O helicóptero chegou a fazer um pouso de emergência durante a tarde de domingo em uma área de mata, segundo imagens enviadas por Letícia ao namorado. “Pousamos”, enviou a jovem em mensagem de . Ao ser perguntada onde era o local, ela não soube dizer. “Estamos voltando”, escreveu em seguida.

Como as buscas estão sendo feitas?

Conforme a Força Aérea Brasileira (FAB), o Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (2º/10º GAV) – Esquadrão Pelicano foi acionado para realizar as buscas ao helicóptero. Já foram cumpridas aproximadamente 20 horas de voo.

O esquadrão, que é responsável por realizar ações de busca e salvamento de aeronaves e embarcações desaparecidas em todo território nacional, atua, nesta missão, com a aeronave SC-105 . A bordo, estão 15 tripulantes especializados.

A área total de buscas é de cinco mil quilômetros quadrados, ainda segundo a Força Aérea. A Polícia Militar também auxilia nas buscas por meio do Comando de Aviação. Conforme a corporação, foi realizado um sobrevoo de cerca de 3h de duração na Serra do Mar durante a manhã desta quarta, mas o helicóptero não foi encontrado.

Qual é a tecnologia utilizada pela FAB?

A Força Aérea afirma que o SC-105 Amazonas possui um capaz de realizar buscas sobre terra ou mar, com alcance de até 360 quilômetros. “Um sistema de comunicação via satélite também permite o contato com outras aeronaves ou centros de coordenação de salvamento (Salvaero), mesmo em voos a baixa altura”, disse.

A aeronave, continuou a FAB, conta também com um sistema eletro-óptico de busca por imagem e por espectro infravermelho. A Força Aérea explica que essa tecnologia permite realizar buscas pelo calor, detectando, por exemplo, uma aeronave encoberta pela vegetação ou uma pessoa no mar.

O helicóptero estava em situação regular?

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirmou que o helicóptero desaparecido consta no Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) em situação normal de aeronavegabilidade, mas sem permissão para realização de serviço de táxi-aéreo.

O piloto do helicóptero desaparecido possuía licença em dia?

A Anac afirmou que o piloto, identificado como Cassiano Teodoro, teve sua licença e todas as habilitações sumariamente cassadas pela agência em 15 de setembro de 2021 por condutas infracionais graves à segurança da aviação civil.

De acordo com a agência, ele foi cassado em decorrência, entre outros motivos, de evasão de fiscalização, fraudes em planos de voos e práticas envolvendo transporte aéreo clandestino.

Em outubro de 2023, após observar prazo máximo legal para a penalidade administrativa de cassação, que é de dois anos, o piloto retornou ao sistema de aviação civil ao obter nova licença com habilitação para Piloto Privado de Helicóptero (PPH) Essa licença não dá autorização para realização de voos comerciais de passageiros. A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Cassiano Teodoro.

A viagem foi planejada com antecedência?

De acordo com familiares das desaparecidas, o convite para a viagem de helicóptero ocorreu de última hora. A hipótese é que partiu do amigo da família. “A Letícia tomou café com a minha mãe no domingo e falou que previa voltar para almoçar. O convite deve ter surgido no meio disso. Era para ser bate a volta”, disse Silvia.

Ela afirma que a irmã e a sobrinha, ambas moradoras da zona norte de São Paulo, nunca tinham feito um passeio de helicóptero anteriormente. “Mas elas gostam de adrenalina, por isso devem ter se animado com o convite”, afirmou a irmã. Segundo ela, Letícia já saltou de bungee jump e tinha planos de andar de balão no futuro.

Silvia tinha combinado de passar o réveillon com a irmã na casa da sogra. No domingo, no entanto, Luciana disse que havia desistido de ir, e partiu com a filha para o passeio de helicóptero com destino a Ilhabela. Ela chegou a postar um vídeo nas redes sociais do momento da decolagem da aeronave.

“Somos muito próximas, todo sábado e domingo encontrávamos”, disse Silvia. Assim como a irmã, Luciana também trabalhava com vendas, enquanto Letícia estava começando a empreender como designer de unhas na casa da avó, com quem morava desde a infância no bairro do Limão. “Ela tinha recém-montado um salão, estava progredindo”, disse a tia.

(Agência Estado)