O Ministério da Justiça deve investigar se houve ação humana intencional no apagão que afetou o Brasil nesta terça-feira (15), a pedido do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira. Em janeiro foram confirmados sete ataques a torres de energia, na mesma época do ataque aos poderes em Brasília.

Em coletiva de imprensa nesta tarde, o ministro de Minas e Energia disse que não descarta dolo ou falha humana como possível causa do apagão. De acordo com ele, além do Ministério da Justiça, a Polícia Federal e a Abin devem entrar na investigação das causas do apagão.

De acordo com o ministro, o apagão não tem relação com a segurança energética, já que o sistema de reservatórios está estabelecido e sem apresentar riscos de crise. “O ocorrido de hoje nada tem a ver com o planejamento do sistema e a geração de energia”, disse.

Ataques a torres de energia elétrica

No início do ano, uma série de ataques a torres de transmissão de energia elétrica foram registrados no Brasil. A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) confirmou sete ocorrências em torres de energia. Apesar dos ataques, na época não houve registro de interrupção no fornecimento de energia elétrica.

Os ataques ocorreram em vários estados, como Mato Grosso, Rondônia, São Paulo e até na Linha de Itaipu.

Tais ataques estariam relacionados aos ataques aos poderes em Brasília, no dia 8 de janeiro.

Apagão afetou todo o Brasil

De acordo com nota do Operador Nacional do Sistema Elétrico, houve uma ocorrência no sistema que provocou a separação elétrica das regiões Norte e Nordeste das regiões Sul e Sudeste, com abertura das interligações entre essas regiões. Houve pelo menos 16 mil MW de interrupção de energia.

De acordo com a Energisa, concessionária de energia em Mato Grosso do Sul, o apagão afetou unidades consumidoras de 17 municípios do Estado. A energia elétrica foi restabelecida em todas as 99 mil unidades afetadas, segundo a empresa.